facebook 19
twitter 19
andes3
 

filiados

02WEB1134Graças a nossa luta, Weintraub caiu. E fugiu. A mídia e a elite política querem fazer da queda de Weintraub uma vitória deles. Assim, se posicionam para ditar a agenda do novo ministério. De fato, havia uma contradição entre os interesses do ministro mais bolsonarista dos bolsonaristas e parte da elite empresarial e política. Contudo, sem a nossa mobilização, tal contradição teria sido apaziguada nos acordos de bastidores e nas composições palacianas.
É preciso, portanto, (re)afirmar o nosso papel nesse processo que levou ao “exílio” do agora ex-ministro. Desde que ele assumiu, em 07 de abril de 2019, não demos descanso às suas intenções bolsonaristas de destruir a universidade e o conhecimento e de atacar a educação como um todo.
Primeiro, fomos às ruas contra o corte de gastos e fizemos o 15 de maio de 2019. Derrotamos parte do contingenciamento, forçando o governo a voltar atrás. Em seguida, foi a vez de acabar com o Future-se. Lançado em julho de 2019, o programa foi inviabilizado já setembro, quando a maioria das universidades o rejeitou. Weintraub ainda tentou remodelar o projeto, em vão.
No começo de 2020, novos desafios: primeiro, desmascarar a farsa da eficiência com o ENEM e os erros nas notas de milhares de estudantes; na sequência, derrotar os ministros nas várias medidas autoritárias que vieram por Medidas Provisórias e Decretos: a nova regulamentação para as eleições de reitor; o limite de viagens acadêmicas e cientificas; a carteira digital estudantil, entre outras. Nossa mobilização foi decisiva para o recuo do MEC nas portarias e para que o Congresso deixasse caducar e rejeitasse as medidas provisórias de interesse de Weintraub.
O novo ministro que assume, Carlos Alberto Decotelli, se apresenta como quadro técnico. Porém, no fechamento desta edição, nosso jornalismo conseguiu apurar em primeira mão duas mentiras do novo ministro: primeiro, que ele não tem doutorado. Fizemos contato direto com o reitor da Universidade de Rosário, que confirmou que Decotelli teve a tese reprovada pela banca após cumprir os créditos; além disso, seu currículo militar também é questionável. O MEC diz que o novo ministro é oficial militar de reserva da Marinha, Contudo, ele passou apenas dois anos na Escola de Formação de Oficiais para a Reserva da Marinha (EFORM). Não é um quadro que fez carreira no Marinha, progredindo na hierarquia, mas sim um reservista de baixa patente.
Pego na mentira antes mesmo de tomar posse, Decotelli seguramente fará um ministério não de enfrentamento contra tudo e contra todos, mas de composição entre militares, olavistas, empresariado, elite política. As Escolas Cívico-Militares vão avançar ainda mais. A abertura de setores da educação para a iniciativa privada também.
Nosso desafio será maior, sem dúvidas. Primeiro, precisaremos de um olhar muito qualificado sobre os projetos do novo ministro. Sem as contradições com a mídia, será mais difícil difundir os efeitos danosos das propostas governamentais.
Segundo, precisaremos de uma intervenção junto ao parlamento ainda mais incisiva. Sem os ataques contra os parlamentares oriundos do titular da pasta, seguramente perderemos parte do legislativo que se colocava contra qualquer iniciativa do Weintraub.
Por fim, precisaremos de uma mobilização mais ampla. Só conseguiremos sensibilizar o Congresso e a imprensa se formos capazes de furar a bolha e ir às ruas com amplos setores, para além da vanguarda que já participa das nossas dinâmicas cotidianas e regulares.
Não será fácil, sem dúvida. Mas o que fizemos até aqui tampouco foi trivial, pois em um ano e meio de governo Bolsonaro conseguimos derrubar dois ministros. Cada troca na pasta é um tempo que ganhamos para tomar fôlego, são meses de paralisia nos projetos de destruição da ciência e de ataque aos professores, técnicos-administrativos e estudantes.
Que venha o próximo, então. Senhor Decotelli, estaremos aqui, prontos para defender o conhecimento e a democracia.

Diretoria da AdUFRJ

Screenshot CEGO Conselho de Ensino de Graduação autorizou que a universidade ofereça disciplinas remotas aos alunos da UFRJ, com prioridade aos concluintes.
 Foi uma discussão exaustiva. Os debates se estenderam por mais de 14 horas em duas sessões extraordinárias, realizadas na quarta e sexta-feiras, em que os conselheiros se debruçaram sobre cada item dos textos formulados pelo GT CEG PR-1. Agora o CEG ainda precisa elaborar uma proposta de calendário acadêmico, e enviar para a aprovação do Consuni. O prazo para formulação do calendário é de 15 dias a partir da publicação da resolução.
O debate sobre a oferta de aulas remotas para a graduação já dura um mês. Em uma sessão no dia 20 de maio chegou ser votada uma proposta de oferta de disciplinas eletivas para alunos concluintes, mas o conselho recuou e decidiu estudar melhor as possibilidades.
“Esse momento é muito importante para este colegiado”, destacou a presidente do CEG, e pró-reitora de Graduação, professora Gisele Viana Pires. “Precisamos nos debruçar em relação ao nosso papel acadêmico, que é absolutamente incontestável, mas também sobre uma questão social. Esta questão foi trazida a este conselho em algumas sessões, porque esta demanda da oferta de atividades pedagógicas não presenciais tem sido uma solicitação de vários segmentos, principalmente do segmento discente. A UFRJ precisa dar uma resposta à sociedade”, afirmou a presidente, antes do começo da discussão.
Durante o debate da resolução, os representantes dos estudantes incluíram no texto dispositivos para garantir o trancamento de disciplinas durante todo o período especial. Mas o colegiado reprovou outra reinvindicação estudantil que sugeria que a nota de um aluno reprovado não fosse lançada no boletim acadêmico do estudante. O Conselho entendeu que não pode interferir na prerrogativa do professor de reprovar ou aprovar um aluno.
Os estudantes ficaram bastante contrariados com o fato de a aprovação da resolução não ter sido condicionada à garantia de que a UFRJ vai conceder a todos os alunos o acesso às tecnologias de informação e comunicação. No entendimento dos representantes, muitos vão ficar para trás sem essa garantia. Mas o conselho votou entendendo que seu papel é possibilitar a oferta de ensino remoto, e que o condicionante poderia inviabilizar a oferta.
Mesmo com as divergências, a conselheira discente Antônia Velloso, do DCE Mário Prata, reforçou a importância do momento. “Votei favorável pela ideia geral da construção dessa resolução. É muito importante a gente efetivar uma demanda que tem sido tão apresentada pelos corpos docente e discente, e quero reafirmar a urgência que a gente tem na deliberação com relação aos formandos”, pontuou.

Ana Beatriz Magno e Silvana Sá

 

O pior ministro da Educação da História caiu para cima. Comprar briga pública com o Supremo Tribunal Federal representou um passo maior que as pernas para Abraham Weintraub. Sua militância ideológica foi trocada por um passe livre para deixar o Brasil às pressas. Ele é investigado no inquérito das fake news, do STF, e responde a processo por racismo contra chineses no tribunal. Constrangido a despachá-lo para evitar mais confronto com o Judiciário, Bolsonaro indicou o agora ex-ministro a uma diretoria do Banco Mundial em Washington, para receber salário de US$ 250 mil anuais, cinco vezes mais do que recebia no ministério. A exoneração só foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial neste sábado, 20, depois de confirmada sua chegada aos Estados Unidos. Ele pode ter tido sua entrada facilitada no país – que está com as fronteiras fechadas para brasileiros – por ter viajado ainda na condição de ministro de Estado. Aliás, a viagem aconteceu no mesmo dia em que o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou no STF um pedido de apreensão do passaporte de Weintraub para evitar uma possível saída do Brasil.
03WEB menor1133Embora tenha sido catapultado ao Banco Mundial, Weintraub ainda depende da aprovação de sua indicação por oito países liderados pelo Brasil (Colômbia, Equador, República Dominicana, Panamá, Haiti, Suriname, Trinidad e Tobago e Filipinas). Economistas brasileiros já articulam um movimento contra sua nomeação. Em carta, a ser endereçada às embaixadas desses países no Brasil, os especialistas lembram que “devido ao seu comportamento odioso e desempenho medíocre como ministro da Educação, houve pedidos quase unânimes de sua renúncia em todos os segmentos da sociedade brasileira”. O documento cita, ainda, relatório do Comitê de Política Educacional da Câmara dos Deputados, que concluiu, entre outras coisas, que o planejamento do MEC em sua gestão ficou muito “aquém do esperado”.
A queda de Weintraub merece comemoração de todos que defendem a Educação. Por outro lado, especialistas avaliam que o sucessor deve seguir a tarefa bolsonarista de destruição dos projetos educacionais que promovem o pensamento crítico do país.
Ainda não há confirmação do substituto, mas Carlos Nadalim, atual secretário de alfabetização do ministério, é o nome mais forte, até o momento, para assumir a vaga. Não se trata de um formulador de políticas de educação, e sim de um entusiasta do ensino domiciliar. Desde 2013, passou a ser relativamente conhecido na internet por simpatizantes desta modalidade de ensino. A credencial definitiva para Bolsonaro, porém, é outra: foi aluno de Olavo de Carvalho em um curso on line de Filosofia.
Para o professor Ivo Coser, vice-diretor do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS), uma característica que deve marcar o substituto de Abraham Weintraub – seja ele quem for – é o perfil ideológico. “Este é um governo de colisão, não de coalizão. É todo ideológico e tem a tarefa de desmontar a Constituição”, avalia. “A pauta é a ruptura com os marcos da Educação, promulgados desde 1988. É o norte deste ministro e deste governo”, afirma o cientista político.
A professora Thais Aguiar, chefe do Departamento de Ciência Política do IFCS, concorda que o ministério é o “entreposto de combate a lutas no campo da educação emancipadora”. “Por isso a escolha do olavismo para gerir o MEC. Não à toa se ataca a figura de Paulo Freire”, diz. No entanto, ela acredita que o militarismo e os parlamentares do Centrão se fortaleceram neste momento de fragilidade da ala ideológica. “As peças políticas estão se movendo. Weintraub foi alçado ao MEC pelo alvoroço e balbúrdia que causava. Mas o tabuleiro se moveu de tal forma que isso deixou de ser conveniente. Exatamente pelo mesmo motivo que entrou, ele agora sai”, avalia.

HORA DE COMEMORAR
Apesar das incertezas em relação a quem vem depois, o professor Josué Medeiros defende a importância de comemorar a saída de Weintraub. “Foi uma grande vitória do movimento de Educação. Ele representava o ataque bolsonarista mais direto contra nós”, afirma. “No mínimo, conseguimos atrasar os projetos do governo para as universidades em alguns meses”, avalia o cientista político e diretor da AdUFRJ.
O cerco do Judiciário contra o governo é uma tentativa, na avaliação do professor, de manter Jair Bolsonaro “sob certo controle”. “Me parece que o STF faz este movimento na expectativa de um acordo que mantenha as instituições alinhadas em torno do avanço da agenda neoliberal”. Agenda que, de alguma maneira, pode permear também o MEC. “Acredito que o Ministério pode ter uma composição entre o olavismo e o empresariado. O novo ministro tende a ser menos histriônico e, justamente por isso, pode ter mais espaço para aprovar projetos no Congresso. O próprio Nadalim tem esse perfil”.

O Conselho de Ensino para Graduados (CEPG) aprovou, em plenário virtual, dia 19, o calendário acadêmico letivo para que os programas de pós-graduação retomem as atividades acadêmicas de maneira remota, enquanto durar a pandemia. As datas foram adiantadas nas edições passadas do Jornal da AdUFRJ, mas para programas trimestrais há uma novidade: foram definidos dois calendários. Um, com início previsto em 6 de julho. Outro, com início em 3 de agosto, em conjunto com os programas bimestrais e semestrais.
Não houve polêmicas em relação às datas propostas para cursos semestrais e bimestrais, mas a discussão foi longa relacionada aos programas trimestrais. A diferença entre aprovar um ou dois calendários para esses programas foi de apenas um voto, de minerva, após o empate entre as duas proposições.
O professor Edison Luis Carvalho, representante do campus Macaé, foi um dos nove conselheiros que defenderam um calendário único para cursos trimestrais. “Ter um calendário único nos deixa com possibilidade de unificar um calendário CEG-CEPG. Quem já adiantou seus conteúdos não tem prejuízo porque está amparado pela Resolução 05 (de retomada das atividades remotamente). A proposta contempla a todos”, afirmou.
Outros nove conselheiros se colocaram favoravelmente a ter dois calendários. “Permite a possibilidade de sincronização com o calendário do CEG e também permite que os programas que já têm condições de retomar suas atividades, que possam fazê-lo de forma que os estudantes não sejam prejudicados”, afirmou o professor Josefino Cabral Lima, representante do CCMN. Pelo planejamento apresentado, o calendário da pós-graduação deve ser normalizado a partir de março 2022.

CONFIRA AS DATAS
- Programas semestrais: primeiro período de 2020 se estenderá de 3 de agosto a 14 de novembro; o segundo período, de 30 de novembro a 27 de março de 2021.

- Programas bimestrais: 2020.1 inicia em 3 de agosto, com término em 19 de setembro; 2020.2 será realizado entre 28 de setembro e 19 de novembro; 2020.3, entre 30 de novembro e 30 janeiro; o último bimestre, de 8 de fevereiro a 1º de abril de 2021.

- Programas trimestrais:
Calendário 1: primeiro período, de 6 de julho a 3 de outubro;  segundo período, de 13 de outubro a 16 de janeiro de 2021. Terceiro período acontece em concomitância com os cursos de verão promovidos por esses programas no quarto trimestre: de 1º de fevereiro a 24 de abril de 2021.

Calendário 2: primeiro período, de 3 de agosto a 3 de outubro; segundo período, de 13 de outubro a 19 de dezembro; terceiro período, de 4 de janeiro a 27 de fevereiro; quarto período, de 8 de março a 24 de abril de 2021.

06WEB menor1133IMPORTAÇÕES ficaram mais caras e demoradas durante a pandemia - Divulgação: Fundação CoppetecA burocracia prejudica a pesquisa. E, nestes tempos de pandemia, pode até matar. Processos de aquisição de maquinário e insumos do exterior, que já eram complexos antes da emergência de saúde pública, se tornaram ainda mais demorados e caros. A situação atrasa ações da UFRJ que salvam vidas.
O tempo de trânsito da China para o Brasil, que era de 5 a 7 dias, agora passou para 9 a 12 dias, informa a Fundação Coppetec, que gerencia projetos em apoio à UFRJ. Como algumas importações daquele país são voltadas para ações de combate ao coronavírus, a mudança de prazo “tem sido crítica” para a fabricação de respiradores, por exemplo.
Outro problema é o reajuste nos valores dos fretes internacionais. A fundação cita um processo de importação da China que deveria custar US$ 440,35, mas sofreu um acréscimo de US$ 800 devido à escassez no transporte gerada pelas medidas restritivas de isolamento social.
“O sistema todo fica mais burocrático”, alerta o diretor-executivo da Coppetec, Fernando Peregrino. O dirigente chama atenção que o problema não se esgota na chegada ao país. Alguns produtos precisam passar pelo crivo de órgãos federais, como a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), no caso de materiais biológicos. “Esses órgãos estão respondendo com muita lentidão”, disse. Nem mesmo os processos relacionados ao combate do novo coronavírus teriam ficado mais ágeis, como previsto em legislação emergencial. “A burocracia é indiferente à emergência”, completa Peregrino.
Diretor do Nupem, o professor Rodrigo Nunes reforça o argumento de como fazem falta processos rápidos de aquisição de insumos e máquinas. “Estamos fazendo o teste de Covid aqui no Nupem, mas os insumos não são fabricados no Brasil”. E o país fica em último lugar na “fila” das importações, em função da queda de incentivo à Ciência. “No momento da pandemia, por não termos os insumos, deixamos de salvar vidas”, critica. “Estamos tentando importar um extrator para os diagnósticos de Covid-19, mas há demora de 60 dias úteis”.
O obstáculo da burocracia é antigo e envolve os aspectos mais simples da pesquisa acadêmica. O professor Paulo César de Paiva conta uma saga que enfrentou há 20 anos, ao lado de uma aluna, para recuperar um exemplar de minhoca marinha, no Galeão. A amostra, raríssima, estava conservada em um museu da Suécia por mais de um século e havia sido emprestada ao Instituto de Biologia.
Quando chegou ao Brasil, acabou retida no aeroporto. Para liberar o material, o professor precisou chamar o diretor do instituto em pessoa e ainda passou por três setores: Polícia Federal, Vigilância Sanitária e Ministério da Agricultura. E, em meio a tudo isso, havia o risco de a amostra ser queimada, como era o procedimento da época.
Paulo César só conseguiu sair com a amostra, pois um funcionário da Agricultura o reconheceu. Algum tempo antes, o professor havia auxiliado a identificar um animal que havia sido transportado ilegalmente para o Brasil. “Eu nunca mais pedi material (do exterior)”, relata.
O professor Antonio Solé, do Instituto de Biologia, também compartilha uma história inusitada. Há seis anos, solicitou amostras de um determinado peixe a um colega norte-americano para o trabalho de um doutorando sob sua orientação. “Quando chegou ao aeroporto de Viracopos, em Campinas, nos disseram que era preciso ‘desembaraçar’ o material”, explica Solé. Após várias exigências que considerou absurdas, o professor desistiu. “Disse que não queria mais. Um mês depois me enviaram as amostras”, afirma.

SOLUÇÕES PARA REDUZIR A BUROCRACIA

Nem os jovens pesquisadores são poupados da dor de cabeça da importação de equipamentos. Aluno de mestrado do programa de Zoologia do Museu Nacional, Victor Hugo conseguiu apoio da National Geographic  Society para filmar os experimentos com uma estrela-do-mar que habita parte da costa sul-americana.
Em apenas uma semana, solicitou e garantiu o empréstimo de três câmeras subaquáticas Go Pro 7 Black Hero — cada uma vale aproximadamente R$ 2 mil. Enviadas no início de outubro, dos Estados Unidos, as máquinas deveriam chegar, gratuitamente, à residência do estudante. Mas acabaram retidas na Receita Federal, no dia 14. A empresa responsável pelo transporte comunicou ao mestrando que a importação seria tratada como “compra para uso próprio”, pois pessoa física não poderia importar produtos de uso profissional  “e/ou que dê intenção de comércio”. Para liberar o equipamento, uma inesperada exigência: contratar um despachante aduaneiro, ao custo de R$ 750.
O mestrando tentou explicar que as câmeras seriam usadas em uma pesquisa e depois devolvidas, mas sem sucesso. Enquanto trocava mensagens com a empresa, as experiências com a estrela-do-mar foram realizadas. Em fevereiro, Victor solicitou a devolução do equipamento aos EUA. “Não atrapalhou a pesquisa, mas foi bem frustrante, pois a ideia era fazer algo diferente, de divulgação científica, de não falar só para a minha área”, lamentou Victor.
“Importamos luvas. Importamos máscaras. Por que importar qualquer coisa, se podemos fazer internamente? Destroem a indústria nacional. Na hora que precisa da indústria, não tem”, questiona Fernando Peregrino, de forma enfática. “A importação seria reduzida. E importaríamos só o necessário”.
O diretor do Nupem segue a mesma linha. “O Brasil deveria investir em fazer seu próprio maquinário para diminuir essa dependência do estrangeiro. Não fazemos nem microscópio simples da graduação”, critica Rodrigo Nunes.  “Jogamos milhões de reais, trocados em dólar, para fora e não estimulamos o mercado interno”.
Rodrigo observa como a velocidade de acesso a recursos é importante para a Ciência. “Eu trabalhei na Alemanha durante cinco anos. Eu pedia um determinado produto de manhã e chegava na minha bancada à tarde. No Brasil, pedindo da Coreia, demora dez dias para chegar em Macaé”, compara.
Christine Ruta, diretora da AdUFRJ, avalia que o Marco Legal da Ciência, Tecnologia & Inovação foi um exemplo positivo na flexibilização da burocracia no cotidiano do cientista. Mas a legislação ainda é insuficiente. Para Christine, o governo deve valorizar produtos e insumos nacionais e garantir recursos humanos especializados na aquisição destes materiais para facilitar a vida dos pesquisadores. “Contudo, no governo Bolsonaro, diante de um cenário de desprezo pela Ciência, de estagnação da tecnologia, e de falta de planos para a inovação, os cientistas se veem obrigados a defender primeiramente a manutenção dos investimentos nas pesquisas”, alerta.

Topo