facebook 19
twitter 19
andes3
 

filiados

WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.31.57Maior evento virtual da UFRJ, o Festival do Conhecimento começa na segunda (29). A abertura, às 14h30, contará com a participação da ministra do STF Cármen Lúcia e outros convidados para um Ato em Defesa das Universidades Públicas — o professor João Torres será o representante da AdUFRJ. Até o dia 2, estão agendadas cerca de 800 atividades. Realizado pela pró-reitoria de Extensão (PR-5), o Festival celebra este ano a abertura da produção de conhecimento científico aos saberes ancestrais de matrizes africanas e indígenas e às tecnologias sociais e digitais em nome de um bem comum.

I Jornada Mulheres Eleitas

O Laboratório de Eleições, Partidos e Política Comparada (Lappcom) realiza a I Jornada Mulheres Eleitas, no dia 1º. O evento, a partir das 10h, está marcado para a sala 107 do IFCS. No encerramento, às 16h, será exibido o documentário “Ciência: Luta de Mulher” produzido pelo Observatório do Conhecimento — rede de associações docentes da qual faz parte a AdUFRJ. “O objetivo do evento é discutir, neste contexto eleitoral, a sub-representação das mulheres na esfera política e também na esfera social. A sub-representação política é consequência de uma estrutura social que coloca a mulher em espaço subalterno”, afirma a coordenadora do Lappcom e vice-presidente da AdUFRJ, professora Mayra Goulart. As inscrições gratuitas podem ser feitas pelo link forms.gle/EVQ7LS1Nggt2hmZ28 ou no local.

WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.33 4O Jornal da AdUFRJ desta semana apresenta o debate sobre a construção de um novo espaço multicultural na Praia Vermelha. A ideia da reitoria é demolir o antigo Canecão e dar lugar a um equipamento sofisticado, que atenda aos interesses da universidade e do mercado cultural carioca. Detalhes do projeto foram apresentados nesta quinta-feira (25), no Conselho Universitário. O local terá espaço para 1.786 lugares na modalidade “teatro”, e até 4 mil no formato “show”. A proposta abrange apresentação de concertos e óperas e uma sala destinada à guarda de cenários. A universidade teria direito ao uso do palco principal por 50 dias no ano. Também foi pensado um espaço de exposição da UFRJ com 600 m2.
A nova casa de espetáculos deve ser construída no Campinho, apelido do campo de futebol administrado pela Escola de Educação Física. Já a área onde hoje fica o que sobrou do Canecão deve ser aberta ao público, com a criação de uma praça e a demolição dos muros que cercam aquele trecho do campus. “Queremos abrir o campus da Praia Vermelha para a cidade, para a sociedade”, conta o vice-reitor da UFRJ, professor Carlos Frederico Leão Rocha. “É uma mudança completa de concepção daquele espaço”.
A gestão da nova casa de shows será privada, a princípio com concessão de 25 anos. Em contrapartida, quem adquirir o direito de gerir o espaço multiuso deverá investir na construção de um bandejão, com capacidade para 2.500 refeições por dia, e um prédio de 8 mil m2, com até 80 salas de aula.
O restaurante deverá ficar nas imediações da nova casa de shows. Já para o aulário há duas possibilidades: a primeira seria construí-lo no centro do campus. O problema é que no local hoje existem o atual aulário de contêineres, o anexo do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, a garagem e o antigo prédio da Associação Latino-Americana de Física. Todos precisariam ser demolidos, o que desalojaria unidades como a Biblioteca do CFCH e o NEPP-DH. “Outra alternativa discutida é utilizar a área do antigo bingo para a construção desse prédio”, conta o vice-reitor. “Nesse cenário, sai o aulário ‘de lata’, mas os outros edifícios permanecem”, explica Leão Rocha.
O dirigente conta que a classe artística da universidade discutiu o projeto e propôs mudanças para que o espaço cultural fosse adaptável a todas as formas de arte presentes na universidade. “Por exemplo, o prédio tem 20 metros de altura desde a base do solo porque para uma ópera ou um concerto é preciso uma área maior para a projeção dos instrumentos. Fizemos a conta e seriam necessários pouco mais de 19 metros desde o solo”, conta o vice-reitor. “Isso repercutiu na mudança também do gabarito da região, que antes limitava as edificações a 20 metros de altura a partir da lâmina d’água, que está a cerca de dois metros abaixo do nível do terreno”, justifica.WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.19.06
O projeto atual nasceu em 2018, ainda na gestão do professor Roberto Leher, mas foi “profundamente modificado” pela atual administração da universidade. “A Praia Vermelha não entra mais como um ativo. Também retiramos todos os onze terrenos do Fundão que seriam destinados à iniciativa privada e não há hipótese de demolição do Instituto de Psiquiatria”, afirma o vice-reitor.
Apesar das mudanças, o caminho será longo até que o projeto saia efetivamente do papel. Isto porque muitos grupos estão descontentes com a condução da discussão e com a concessão da futura casa de espetáculos à iniciativa privada. O professor Romildo Bomfim, ex-diretor da AdUFRJ e integrante dos coletivos “Salva UFRJ Praia Vermelha” e “Movimento em Defesa do ‘Campinho’” questiona a transparência das discussões. “A partir do momento em que a reitoria não disponibiliza os contratos, os aditivos, os estudos de impacto ambiental, de vizinhança, empresas interessadas no empreendimento, isto, por si só, já denota falta de transparência. E vale ressaltar que não foi por falta de solicitação, de pedido”, alega o docente. “Por que a reitoria não torna públicas as negociações, tratativas e os seus resultados, na página da UFRJ?”, questiona.
Um documento subscrito por um dos movimentos que o professor participa, além do Sintufrj e diversos centros acadêmicos da universidade foi protocolado no dia 24, na reitoria. “Nosso requerimento solicita a interrupção imediata desse projeto para que a comunidade acadêmica tenha tempo de se debruçar sobre ele”, defendeu o servidor Fábio Marinho, diretor do Sintufrj, durante o Consuni.
A reitora rebate veementemente os argumentos da oposição. Durante o Consuni, Denise Pires de Carvalho informou que até o final da próxima semana todos os documentos sobre o atual projeto serão divulgados no site da UFRJ e que a discussão continuará. “O projeto está em construção. Não haverá obstrução do debate. Precisamos devolver o Canecão para o Rio de Janeiro”, afirmou. “Não há prazo definido para o fim da discussão”, completou o vice-reitor.
Os estudantes criticaram o que chamaram de privatização da universidade. “Em que momento o fortalecimento do ensino público passa por fornecer espaços públicos à gestão privada?”, questionou Lucas Peruzzi.
Eduardo Raupp, pró-reitor de Planejamento e Finanças, rebateu essa e outras falas nessa direção. “Se a gente levar para o debate da privatização, a gente não vai ter transporte na universidade, a gente não vai ter restaurante. Porque são concessões a empresas privadas”.
Nas próximas edições, o Jornal da AdUFRJ apresentará outras faces dessa discussão.

ANTES
WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.33 5Foto: Diego MendesEspaço está abandonado há mais de uma década

Desde 2010, quando a UFRJ conseguiu reaver a posse da então casa de espetáculos Canecão, o imóvel está abandonado e em deterioração. Antes disso, foi parcialmente destruído por dentro pelos antigos proprietários da marca. Além dos recursos escassos para reabilitar o espaço, havia também um impedimento legal para reformas e mudanças na edificação. Existia uma lei estadual, de 1999, que tombava o Canecão. A universidade só conseguiu o destombamento do espaço em junho de 2019, depois da apresentação dos primeiros estudos e projetos de revitalização da área e construção de um novo espaço de cultura no local.

 

DEPOIS
UFRJ quer construir novo centro multicultural e praça

O terreno onde hoje está o decadente prédio do Canecão dará lugar a uma praça arborizada e aberta ao público. Os muros que cercam o campus da Praia Vermelha serão postos abaixo para abrir a universidade à cidade. Esses são os planos contidos no projeto apresentado pela reitoria nesta semana. A edificação, com 20 metros de altura, e a praça serão construídas numa área de 15 mil m2 e utilizará uma parte do terreno onde existe o campo de futebol da Escola de Educação Física e Desportos. Conhecido como “campinho”, o local abriga dois projetos de extensão e é recorrentemente alugado pelo Botafogo.


O novo equipamento cultural prevê dois formatos: “modo teatro”, com capacidade para 1.786 lugares, e “modo show”, onde caberão até quatro mil pessoas. A arquitetura do ambiente principal de eventos também se adaptaria a apresentações de óperas e concertos realizados pela Escola de Música

Nutricao 13Estela Magalhães

O segundo semestre letivo começa com novidades na relação entre professores e alunos. No dia 17, o Conselho de Ensino de Graduação (CEG) regulamentou normas gerais para segunda chamada e prazo para lançamento de notas.
A resolução define que a nota de uma avaliação deve ser divulgada, no mínimo, 72 horas antes da ocorrência de outra. “Saber das notas é importante para que o estudante possa se programar com seus estudos”, disse o professor Alexandre Leiras, representante do Centro de Tecnologia e relator da proposta.
O texto também determina justificativas aceitas para a perda de uma prova, ou do prazo de entrega de um trabalho, que devem ser comprovadas. Entre elas, internação hospitalar, doenças impeditivas, distúrbios relacionados à saúde mental e ocorrência de situação que impeça o deslocamento do estudante ao campus. “Não se trata de quando ocorre um engarrafamento, mas sim de situações que efetivamente impeçam que o estudante esteja presencialmente na universidade, como tiroteio no local de moradia do estudante ou alerta de chuvas fortes e enchentes”, explicou o estudante Alexandre Borges, do DCE. Para comprovar o motivo da falta nessa situação, o estudante pode recorrer a registros de mídias e publicações da imprensa. O professor também pode decidir aplicar uma segunda chamada mesmo que o caso não se enquadre nas hipóteses previstas na resolução.
A professora Flávia Moll de Souza, do CT, argumentou que seu Centro já realiza provas de reposição. Mas elas são únicas na disciplina e o estudante só pode faltar a uma avaliação regular. “Não ficou claro o número de vezes de ocorrência da segunda chamada”, observou.
“Não se trata de um dispositivo para usar à vontade. Estamos debatendo uma excepcionalidade que não pode ser definida de forma quantitativa. Um exemplo é que, caso a pessoa esteja acometida por uma doença num período de tempo que ocupe mais de uma avaliação, precisa estar previsto que ela tenha direito à segunda chamada”, explicou o professor Marcelo de Pádula, superintendente geral de Graduação. A pró-reitora de Graduação, professora Gisele Pires, enfatizou que a resolução trata do direito geral à segunda chamada para estudantes de todos os cursos. “Como eles têm avaliações de formas diversas, as especificidades serão debatidas e decididas por cada unidade”, completou. As unidades têm até fevereiro do ano que vem para definir estes procedimentos. 

WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.33Fotos: Diego MendesNa quinta-feira (25), o taxista Péricles Guedes voltou ao passado quando o passageiro recém-embarcado anunciou o destino: “Museu Nacional, por favor”. “Caramba, agora o senhor me pegou”, disse Péricles, que desandou a compartilhar as histórias de suas visitas ao museu. “Não vou lá desde aquele incêndio, não tive coragem nem de entrar mais na Quinta da Boa Vista. Esse museu faz parte da minha vida. Eu ia lá com meus pais quando era criança e com meus filhos depois que virei pai. Lembra daquele meteorito que tinha na entrada? Quanta lembrança boa tenho de lá”, recordou. Na chegada, o passageiro agradeceu o papo e informou ao taxista que na próxima sexta-feira (2) o Museu Nacional entregará ao público a fachada restaurada, quase todo o telhado reformado e um jardim que até então era fechado à visitação. “Jura? Que notícia boa. Muito obrigado”, disse Péricles, com os olhos marejados.
A emoção que o simpático taxista deixou fluir certamente está se espalhando por muita gente nesses dias que antecedem as primeiras entregas das obras de recuperação do Museu Nacional. Quatro anos após o incêndio que quase o destruiu totalmente, o museu inicia seu processo de reabertura no dia 2 de setembro, em comemoração ao bicentenário da Independência e na mesma data da tragédia de 2018. Haja simbolismo.
“É um momento importante para a sociedade e, principalmente, para a nossa universidade, que está mostrando que é capaz de tocar um projeto da dimensão da recuperação do Museu Nacional. O projeto inclui reforma, restauro e reconstrução. Por dentro, ele precisa ser reconstruído. Por fora, ele precisa ser restaurado. Veja a complexidade desse projeto”, avaliou a professora Denise Pires de Carvalho, reitora da UFRJ.WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.34
Tomada pela mesma emoção de Péricles, Denise adiantou uma das novidades que serão levadas ao público no próximo dia 2: “Tivemos a oportunidade de refazer todas aquelas esculturas que ficavam na fachada original, algumas já estavam até perdidas, e réplicas estão sendo recolocadas. As originais desceram do alto do palácio e serão expostas. A sociedade agora vai poder ver aquelas esculturas de mármore de Carrara de perto. Toda aquela tragédia trouxe a possibilidade de aproximar ainda mais o museu da sociedade e da história do Brasil”.
Na quinta-feira, as réplicas já estavam emoldurando a fachada restaurada. Todos os andaimes haviam sido retirados e a frente do histórico Palácio de São Cristóvão, que foi moradia da família real, já se mostrava em todo o seu esplendor. Os operários faziam os últimos retoques no Jardim das Princesas — área antes restrita e que será aberta à visitação — e no Jardim Terraço, que fica à frente do prédio. A Prefeitura do Rio também estava concluindo melhorias no entorno do museu, como o recapeamento dos acessos, modernização da iluminação pública e tratamento paisagístico. Até a estátua de Dom Pedro II, que se destaca no alto da Alameda das Sapucaias, bem diante do palácio, passou por reformas e ganhou um novo canteiro de plantas ao seu redor.

CIÊNCIA E HISTÓRIA
WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.34 1Com seus 204 anos de história, o Museu Nacional olha para o futuro. Fundado em 1818 — é a instituição científica mais antiga do país —, ele inicia no próximo dia 2 uma nova fase, em que tradição e modernidade se juntam. O projeto de reconstrução prevê, entre outros avanços tecnológicos, um sistema de prevenção de incêndios à altura dos utilizados nos mais seguros museus do mundo.
“As obras começaram há cerca de um ano. Todo o período anterior foi dedicado à elaboração dos projetos executivos, de alto nível, aprovados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Vamos entregar, além dos jardins, a fachada do bloco 1 e 70% do telhado e das lajes. Isso mostra a capacidade técnica da universidade e das empresas que estão tocando a obra”, ressaltou a reitora.
Uma das etapas do processo de reconstrução do museu foi o escaneamento a laser do palácio, concluído em novembro de 2020. Essa etapa permitiu a modelagem virtual de todo o prédio e a criação de uma plataforma digital integrada para o desenvolvimento dos projetos de reconstrução.
Para o vice-reitor da UFRJ, professor Carlos Frederico Leão Rocha, todo esse planejamento influiu na entrega das obras. “Conseguimos cumprir o prazo que demos em 2019, o de entregar a fachada restaurada em setembro deste ano, no bicentenário da Independência. Mas temos muitos desafios ainda. O primeiro deles é conseguir junto ao Iphan a aprovação das demais etapas. Depois temos que reunir os recursos financeiros necessários a essa reconstrução. E o maior desafio de todos é montar um modelo de sustentabilidade de longo prazo para o Museu Nacional”, destacou o professor.
A reitora da UFRJ pretende destacar em seu discurso no próximo dia 2 aspectos de desenvolvimento trazidos pela família real e seus ecos no Brasil de hoje. “A família real deixou à sociedade não um simples museu ou um museu imperial, mas sim um museu de História Natural, um museu de Antropologia, uma instituição científica. A família real trouxe ao Brasil as faculdades, a importância da presença de instituições científicas. Tudo isso fez com o que o Brasil, a partir do final do século XIX, começasse um movimento de desenvolvimento, não mais como uma colônia de exploração, mas como um país independente. Estamos no ano do bicentenário da Independência. Infelizmente ainda dependentes, por exemplo, de alta tecnologia. Não porque o Brasil não tenha capacidade para isso. A Ciência brasileira tem o mesmo nível, apesar de ser muito recente, dos países desenvolvidos. O que ela precisa é de mais recursos e financiamento. Este é um momento muito simbólico e vou ressaltar isso na cerimônia de 2 de setembro”, disse a reitora.
O palácio em que nasceu Dom Pedro II e onde ele criou sua família — era no Jardim das Princesas que as suas filhas Isabel e Leopoldina brincavam e tinham aulas de artesanato e jardinagem — ainda terá muitas obras pela frente nos próximos anos. O projeto de reconstrução do prédio foi dividido em quatro blocos e as obras agora entregues em parte se referem ao primeiro deles. A reabertura total está prevista para 2027.
“O projeto executivo para a reconstrução interna do museu está ficando pronto e precisaremos de recursos para as obras, assim como para a recuperação do acervo. O projeto do interior está sendo feito por uma empresa contratada por meio de licitação internacional feita pela Unesco”, revelou a reitora. De acordo com o Relatório do Projeto Museu Nacional Vive 2020-2021, 64% dos recursos necessários à reconstrução já foram captados (R$ 245 milhões), restando captar os restantes 36% (R$ 135 milhões) do total de R$ 380 milhões previstos.

ACERVO, ENSINO E PESQUISA
Diretor do Museu Nacional de 1998 a 2001, o antropólogo Luiz Fernando Dias Duarte tem sua vida acadêmica ligada à instituição, onde é professor titular, e foi um dos primeiros a arregaçar as mangas para começar a reconstrução após o incêndio de 2018. “Nesses quatro anos, lutamos todos pela reconstrução do palácio e pela reconstituição do museu. Não se trata apenas de reconstruir o patrimônio físico que foi destruído, mas sim de reconstituir as condições de trabalho, de pesquisa, de pós-graduação que caracterizam a instituição há 204 anos. O que se perdeu foi um tesouro incalculável, sob todos os pontos de vista, para o país e para a Humanidade. A nossa responsabilidade, como servidores públicos, é fazer com que ao menos parte desse tesouro seja reconstituída”, disse ele.
Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional até o início deste ano, Dias Duarte lembrou que o processo de reconstrução “é lento e complexo” e se dá em várias frentes. “O processo está avançando de uma maneira até mais positiva do que eu vislumbrava no momento imediatamente posterior ao incêndio. Uma das frentes é a melhoria das condições de trabalho nos prédios que o museu tem no Horto Botânico, também na Quinta da Boa Vista, e que não foram afetados pelo incêndio. Lá temos a Biblioteca Central, que está em fase final de reforma, o Departamento de Botânica com seu herbário, o Departamento de Zoologia de Vertebrados com suas coleções e uma série de laboratórios”, enumerou.
O professor pontuou a importância de outra frente de trabalho: o novo campus de ensino e pesquisa do Museu Nacional, em um terreno de 44 mil metros quadrados na Quinta da Boa Vista. Ele vai permitir que o Palácio de São Cristóvão seja inteiramente dedicado a exposições e ações educativas. “Lá já temos construídos dois prédios, um administrativo e um pavilhão de ensino e exposições, além de outros projetos em andamento para a construção de laboratórios. Somos cerca de 100 docentes pesquisadores que estamos abrigados provisoriamente em instalações do Horto ou trabalhando de casa”, explicou Dias Duarte.
O professor, que hoje assessora o comitê de planejamento das futuras instalações do museu, é otimista em relação ao futuro da instituição: “É um projeto grandioso, à altura das responsabilidades, da tradição e das competências do Museu Nacional. A expectativa é que nós venhamos a suplantar as características das coleções perdidas, não substituindo itens que se foram, porque isso é impossível, mas criando outros acervos igualmente importantes para o conhecimento da nossa sociedade”.
Alguns itens, de fato, são irrecuperáveis. Como a múmia da princesa egípcia Kherima, que tinha cerca de dois mil anos. Mas outros resistiram, como o meteorito Bendegó, aquele mesmo que povoa as lembranças do taxista Péricles. Com suas cinco toneladas de ferro e níquel — é o maior do Brasil e um dos maiores do mundo —, ele sobreviveu às chamas e certamente retomará seu lugar ao pé da grande escadaria do salão de entrada do museu. O mesmo encantamento que Péricles sentiu quando ali pisou pela primeira vez poderá se perpetuar por novas gerações. O simpático taxista — ganhou cinco estrelas e avaliação de “gente boa” no aplicativo de transporte — contou o que pretende fazer assim que o museu for totalmente reaberto ao público: “Quero levar lá meu neto, hoje com seis anos, e tirar uma foto com ele ao lado daquele meteorito”.
Caramba, Péricles, que notícia boa.

WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.33 2Estela Magalhães e Silvana Sá

A Lei de Cotas completa sua primeira década de existência na próxima segunda, dia 29. Ao longo de dez anos, foi responsável por ampliar o acesso de estudantes pobres, pretos, pardos e indígenas à graduação. A UFRJ aderiu ao sistema em 2013, depois de longo debate, e desde então viu o perfil de seus estudantes mudar. O número de alunos pretos e pardos cresceu 71% em seis anos. “A universidade hoje respira novos ares. A lei de cotas vem trazendo uma UFRJ mais diversa, plural e com mais representatividade”, analisa Denise Góes, coordenadora das Comissões de Heteroidentificação da Pró-reitoria de Graduação (PR-1).
A lei prevê que 50% das vagas sejam reservadas para estudantes que completaram o ensino médio em escolas públicas. Dentro deste grupo, 50% se aplicam a candidatos cuja renda familiar per capita seja de até 1,5 salário mínimo. A outra metade fica destinada a alunos de escolas públicas com renda superior a 1,5 salário mínimo. Nas duas faixas de renda são destinados percentuais para pretos, pardos e indígenas, de acordo com a proporção desses grupos étnicos no estado em que se localiza a instituição de ensino. Também há cotas para pessoas com deficiência. De acordo com o Censo 2010, o Rio de Janeiro tem 51,7% de sua população formada por pessoas negras e 0,1% por indígenas.
A própria lei prevê sua revisão após dez anos, ou seja, ainda em 2022. Uma das sugestões de Denise Góes é que haja mudanças no acesso de indígenas às vagas. “O indígena urbano vem sofrendo perdas em relação à reserva de vagas porque não está aldeado conforme preconiza a documentação que ele tem que apresentar no momento da matrícula”, conta. O candidato indígena precisa apresentar um certificado de aldeamento.
O momento eleitoral, para Denise, não é o mais propício à revisão de uma lei tão importante para o país. De acordo com a servidora, é necessário que as universidades se articulem para interferir na revisão da lei em outro momento. “Penso que as comissões de heteroidentificação têm que estar dentro dessa revisão com caráter obrigatório a todas as universidades”, opina.
Apesar da preocupação com um Parlamento conservador, com grande número de parlamentares contrários às cotas, o professor Vantuil Pereira, decano do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, lembra que o momento eleitoral e o apoio da sociedade podem proteger a lei. “Há um sentimento na sociedade civil muito diferente de 2003. A opinião pública hoje é favorável às cotas e a repercussão de um eventual fim dessa lei pode ser muito ruim para os parlamentares num ano eleitoral”, analisa.

HETEROIDENTIFICAÇÃO
WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.34 2Jonathan Silvino e seu avô Vilmar Alves“Fico muito orgulhoso por ele, ter alguém na família cursando uma universidade traz muita alegria”, diz Vilmar Alves, que acompanhou o neto Jonathan Silvino no processo de heteroidentificação, no qual foi aprovado. O objetivo desta etapa é garantir o acesso de pessoas pretas e pardas às vagas reservadas e coibir fraudes.
Ingrid Nogueira também foi aprovada no processo e garantiu sua vaga em Arquitetura. “Não consigo nem descrever o que estou sentindo. Meus pais não completaram o ensino médio e sou a primeira da família a cursar uma universidade pública”, conta, emocionada.
“Nós analisamos o fenótipo dos candidatos, porque é ele que marca o racismo no Brasil”, explica Denise Góes.WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.34 3Ingrid Nogueira “Não se trata de simplesmente julgar quem é preto, quem é pardo e quem não é”, ela explica. “Para realizar a heteroidentificação é preciso entender o quanto o racismo massacrou um segmento da população e a trajetória da luta do movimento negro brasileiro na conquista dessas políticas públicas por igualdade de oportunidades”, analisa. Ela ainda destaca a importância da diversidade de raça, gênero e segmento social nas comissões, o que foi muito bem recebido pelos candidatos. “É bom ser avaliado por uma banca diversa e com pessoas que me representam”, diz Elias dos Santos, aprovado em Relações Internacionais.
WhatsApp Image 2022 08 29 at 10.17.35Elias dos Santos“Não falamos mais em fraude desde 2020”, diz o professor Marcelo de Pádula, superintendente-geral de Graduação. “O processo de heteroidentificação admite os candidatos aptos e elimina os que não têm direito às cotas”, completa. Desde a implementação dessa política pela UFRJ, as fraudes foram anuladas e o número total de não aptos vem caindo a cada semestre. Em 2020.1, período de implementação do processo, 14% dos candidatos foram considerados não aptos para o uso das cotas e 21% não compareceram. Em 2022.1, foram identificados menos de 6% de candidatos não aptos, e o número de faltosos permaneceu por volta de 21%. Caso o candidato seja considerado não apto pela comissão, ele tem direito a solicitar outra banca, no mesmo dia, e recorrer da decisão. O candidato só é eliminado caso a comissão determine a não aptidão de forma unânime.

MUDANÇAS NA DOCÊNCIA
Embora o impacto das cotas seja mais sentido na graduação, a participação de pessoas pretas na pós-graduação e admitidas nos concursos docentes também aumentou ao longo dos anos. “Tanto a lei de 2012, quanto a lei de 2014 (que prevê cotas raciais para o Serviço Público), criaram condições para a renovação do corpo docente nas universidades e na própria UFRJ”, acredita Vantuil Pereira. “Isso, combinado ao Reuni (Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais), que abriu a perspectiva do aumento de vagas docentes”, afirma. “Essas políticas associadas mudaram a composição do corpo docente, ainda que não da maneira desejada”, considera. “Saímos de um patamar de 8% de professores negros para 14%, que é mais ou menos o número que temos na UFRJ”.

Topo