facebook 19
twitter 19
andes3
 

filiados

WhatsApp Image 2023 01 27 at 20.18.53Continua o drama dos terceirizados de limpeza do Centro de Tecnologia vinculados à empresa Van Rosa. Na semana passada, os trabalhadores foram à pró-reitoria de Governança (PR-6) denunciar a falta de uniformes, equipamentos de proteção individual e insumos para a realização do serviço, além de maus tratos sofridos pelo supervisor da firma. Passados oito dias, os funcionários relataram à PR-6 que pouco mudou.
Os uniformes até chegaram, mas sem padronização. Alguns não receberam calças e as blusas vieram fora do tamanho para muitos deles. Botas foram distribuídas, mas nada de luvas. “Os trabalhadores não aguentam mais esse tipo de assédio. Estão passando mal, estão sem equipamentos, com uniformes trocados”, afirma a diretora da Associação dos Trabalhadores Terceirizados da UFRJ (ATTUFRJ), Waldinéa Nascimento.
Coordenador-geral de contratos da pró-reitoria de Governança, Marcelo Braga disse que segue em tramitação o processo de inexecução contratual contra a empresa. Em relação ao polêmico supervisor, a PR-6 foi informada que a empresa buscava um substituto. Assim que houver a mudança, a reitoria pretende organizar uma reunião entre o novo representante da Van Rosa, os fiscais do contrato no CT e uma comissão dos funcionários.

6c639383 85a0 450b b539 03143310f158Terceirizados da limpeza do Centro de Tecnologia denunciaram à Pró-reitoria de Governança (PR-6) as péssimas condições de trabalho oferecidas pela empresa Van Rosa Prestação de Serviços Ltda. Em reunião realizada na manhã desta quinta-feira (19), os profissionais reclamaram ao pró-reitor André Esteves da falta de equipamentos e insumos e, principalmente, dos maus tratos praticados pelo supervisor. De acordo com relatos dos trabalhadores, os que questionam o representante da Van Rosa — firma que assumiu a limpeza do CT no início de dezembro — são perseguidos e demitidos, mesmo com anos de casa por outras empresas.
Diretora da Associação dos Trabalhadores Terceirizados da UFRJ, Waldinéa Nascimento afirmou nunca ter visto um caso assim desde a criação da entidade, em 2015. “A opressão é tão grande que eles mesmos resolveram se mobilizar. Só estamos aqui para dar suporte”, disse.
Após ouvir uma comissão dos terceirizados, o pró-reitor respondeu que já existe um processo contra a empresa, solicitando a substituição do supervisor e melhores condições de trabalho. “Lamento profundamente. Estes relatos mexem com a gente”, disse. O dirigente não descarta a rescisão e a troca da Van Rosa por outra empresa.
Vice-presidente da AdUFRJ, o professor Ricardo Medronho, que acompanhou a mobilização dos terceirizados, concorda. “Estive lá para prestar a solidariedade da AdUFRJ e me impressionaram muito os relatos: demissão de trabalhadores com 10, 15 anos de universidade, falta de equipamentos de proteção individual e muitos casos de assédio moral”, disse. “Temos de revogar este contrato e fazer uma nova licitação ou contratar a segunda colocada da licitação anterior”, completou.

ENCAMINHAMENTOS
Na parte da tarde, em reunião entre a empresa, a pró-reitoria de Governança e a ATTUFRJ, a Van Rosa teria informado que vai substituir o polêmico supervisor, segundo Waldinéa. Um novo encontro entre as partes está marcado para a próxima semana.
A reportagem tentou ouvir a Van Rosa sobre as reclamações dos trabalhadores. Por telefone, uma pessoa que se identificou como Jessica Rosa, gerente, afirmou que a empresa já está tratando do assunto diretamente com a reitoria da universidade e que não daria declarações ao jornal.
(Kelvin Melo)

WhatsApp Image 2023 01 13 at 20.06.03A Comissão Coordenadora da Pesquisa para a reitoria da UFRJ definiu as datas para a inscrição de chapas, campanha, debates e eleição deste ano. O grupo foi constituído pelo Conselho Universitário no final do ano passado. A inscrição de chapas acontece nos dias 14 e 15 de março. Na ocasião, deverão ser formalizados os candidatos à reitoria e vice-reitoria.
A pesquisa junto à comunidade universitária será realizada nos dias 11, 12 e 13 de abril, em primeiro turno, com resultado declarado no dia 14. Se necessário, o segundo turno da consulta está previsto para os dias 24, 25 e 26 de abril, com resultado declarado no dia 27 do mesmo mês.
A comissão também aprovou um calendário com seis debates entre as chapas que concorrerão à reitoria:

- 21 de março, às 12h, no auditório Roxinho do CCMN (Fundão)
- 23 de março, às 17h, no Salão Pedro Calmon do Palácio Universitário (Praia Vermelha)n 28 de março, às 15h, noAuditório Cláudio Ulpiano(Centro Multidisciplinar de Macaé)
- 30 de março, às 10, no Bloco A do campus Duque de Caxias
- 4 de abril, às 16h, no Salão Nobre da Faculdade Nacional de Direito (Centro)
- 6 de abril, às 16h, no Auditório Rodolpho Paulo Rocco (Quinhentão) do CCS (Fundão)


As datas ainda precisam ser aprovadas pelo Consuni, que volta a se reunir em 12 de fevereiro, após o recesso administrativo.

WhatsApp Image 2023 01 13 at 20.12.15 3A UFRJ republicou no dia 5 o edital de licitação para a concessão do equipamento cultural multiuso no campus Praia Vermelha. A etapa de entrega de propostas, a abertura dos envelopes e a fase de lances estão marcadas para 2 de fevereiro, no Centro de Convenções do Ventura Corporate Towers (Avenida República do Chile, 330, Centro). Não houve interessados na primeira tentativa, em dezembro.
Para atrair potenciais licitantes, o novo edital reduz algumas exigências, como o valor para comprovação do patrimônio líquido e o capital social mínimo da concessionária.

WhatsApp Image 2022 12 22 at 19.21.26Após dois anos de pandemia e medidas de isolamento social, o reencontro. Em abril de 2022, a UFRJ retomou as atividades presenciais de forma ampla. Um retorno recheado de abraços, conversas nos corredores e, também, de muitas preocupações.
Professores, técnicos e alunos voltaram a frequentar instalações com problemas antigos de infraestrutura. Ainda em maio, o professor Cláudio Cerqueira Lopes, titular do Instituto de Química, ficou preso no único elevador que funcionava no Bloco A do Centro de Tecnologia por uma hora e vinte minutos.
O triste incidente foi apenas um dos reflexos da asfixia orçamentária a que foi submetida a maior universidade federal do país. As verbas, que já eram insuficientes para um funcionamento adequado da UFRJ, sofreram sucessivos cortes ao longo do ano. Estudantes ficaram sem bolsa, terceirizados e extraquadros ficaram sem salário. A Instituição quase entrou em colapso, nos últimos dias de dezembro.
Quase. Unida, a comunidade acadêmica conseguiu pressionar pelo desbloqueio de parte dos recursos e resistiu até o fim do desgoverno Bolsonaro. Agora, espera por dias melhores.

CONFIRA AQUI O ARQUIVO PDF DA PÁGINA

Topo