Elisa Monteiro

elisamonteiro@adufrj.org.br

Um grupo de aproximadamente vinte terceirizados compareceu à última sessão do Conselho Universitário, dia 14. Os trabalhadores contratados pela firma Proserviços denunciaram atraso no pagamento dos salários e benefícios. “É uma falta de respeito das empresas terceirizadas”, desabafou Luciana Calixto. “Estamos com salário atrasado há um mês. E, por dois meses, a alimentação”, completou.

A representante dos funcionários relatou problemas nas condições de trabalho como falta de luvas de proteção e material de limpeza. E solicitou a mediação da administração: “Pedimos ajuda à reitoria. A empresa diz que a universidade não paga, a administração diz que não tem ciência da situação”, disse.

O protesto contou com apoio do Sintufrj. A coordenadora do sindicato dos técnicos, Neuza Luzia, cobrou mecanismos de “controle e punição” das empresas.

O reitor Roberto Leher informou que a empresa Proserviços “foi notificada e passará por sanções administrativas e econômicas por descumprimento de termos do contrato”. A administração acatou a solicitação de composição de uma comissão entre as pró-reitorias de Planejamento (PR3) e de Governança (PR6) com os funcionários para dar “respostas emergenciais” à situação dos funcionários.

Moção de solidariedades aos ex-dirigentes e por Marielle

O Conselho Universitário do dia 14 aprovou moção de apoio ao ex-reitor Carlos Levi e mais quatro ex-dirigentes da UFRJ condenados pela Justiça Federal. Cabe recurso da decisão ainda. As acusações dizem respeito à gestão de convênio entre a universidade e o Banco do Brasil, no período de 2005 a 2011. A administração do contrato foi realizada pela Fundação Universitária José Bonifácio.

O decano do Centro de Tecnologia, Walter Suemitsu, relacionou “a criminalização de dirigentes” a um “movimento de destruição da universidade pública”: “Precisamos de uma mobilização permanente contra isso”, avaliou.

A sessão aprovou ainda uma moção em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL) e a seu motorista, Anderson Gomes, assassinados há exatamente um ano.