Os pesquisadores Marcos Nascimento e Tatiana Sampaio - Foto: Acervo pessoal

Fernanda da Escóssia

fernanda@adufrj.org.br

Pesquisadores da UFRJ desenvolveram uma droga sintética, a polilaminina, que, em testes com ratos, mostrou capacidade de regenerar lesões de medula. A fase de estudos clínicos está começando agora, com pacientes dos Hospitais Souza Aguiar, no Rio, e Azevedo Lima, em Niterói, que tenham sofrido lesões medulares.

Nos testes com animais, em caso de lesões moderadas, os movimentos foram totalmente recuperados. Quando o corte da medula foi completo, houve recuperação parcial dos movimentos. A polilaminina foi patenteada em 2007 no Brasil pelos pesquisadores do Laboratório de Biologia da Matriz Extracelular da UFRJ, mas só agora foi possível iniciar os testes clínicos.

A pesquisa é coordenada pela professora Tatiana Sampaio, do Instituto de Ciências Biomédicas e diretora da Adufrj. O trabalho começou em 2000, quando a equipe sintetizou em laboratório a polilaminina, um biofármaco capaz de recompor a estrutura original da laminina, proteína existente no corpo humano.

O segundo passo foi achar uma função para a polilaminina e saber em que tipo de terapia ela podia ser utilizada. O grupo descobriu que a droga era capaz de estimular a reconstrução espontânea da medula espinhal ou mesmo do cérebro. Pela primeira vez, chegou-se a uma droga sintética capaz de estimular um processo natural que, por alguma razão, estava bloqueado.

Artigo recente publicado pelos pesquisadores no “Journal of Neuroscience”, prestigiado periódico científico, mostra que a laminina está presente em nichos no cérebro que abrigam células-tronco responsáveis pela formação de novos neurônios, a chamada neurogênese. A polilaminina, ao reconstituir a estrutura da proteína original, permite a recomposição da área afetada por lesões.

O artigo foi escrito em colaboração com o pesquisador Marcos Assis Nascimento, do Instituto de Biofísica. Também participam do projeto pesquisadores da Universidade de Münster, na Alemanha. Os testes com pacientes envolverão mais de uma dezena de profissionais, inclusive equipes dos hospitais envolvidos. A descoberta foi noticiada com destaque no jornal O Globo no dia 19 de abril.

Para os testes com humanos, Tatiana destaca que os candidatos devem se adequar a vários critérios, desde idade e questões de saúde até características do quadro clínico. A droga tem de ser aplicada em até três dias depois que a pessoa sofre a lesão _ por isso é preciso recrutar os pacientes em emergências, para que a droga seja aplicada num prazo curto.  “Vamos partir agora para a fase mais difícil, a clínica. Sabemos que isso abre caminho para buscar terapias para doenças que envolvem lesões de células nervosas, como o Alzheimer. É uma pesquisa de uma vida”, resume.

 

SERVIÇO: Interessados podem obter mais informações no site www.polilaminina.com.br

 

 

 

35 Comentários

  • Janete disse:

    Serve também para portadores de poliomielite. ..

  • Rubenildo Jocas Dantas disse:

    Eu gostaria muito de ser um paciente, eu sou Policial do BOPE refirmado. Eu tenho 2 anos de lesão medular. Eu tenho 43 anos.

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Prezado Rubenildo, a substância tem de ser testada no período de três dias após a lesão. Grata pela leitura e boa sorte!

  • Luís Fernando disse:

    Como faço para me inscrever para fazer esta aplicação?

  • José Carlos Moras disse:

    Em 2012 fui operado da coluna e o médico colocou, sem meu conhecimento ou autorização, 18 parafusos de titânio, mais 2 cages e foram 5 anos vegetando, em coma e outras consequências. Em outra cirurgia, outro médico, constatou-se q 2 parafusos na lombar ficaram lesionando a medula. Foram realocados e mais um foi retirado da dorsal. Fiquei mutilado, uso órtese, bengala e /ou restrições. Ainda trabalho e não desisto nunca. Tenho dorsiflexão pé direito, pernas dormentes. Posso acessar aos Srs e Sra para QQ tentativa? Vi 3 vezes a Bandeirantes.

  • José Carlos Moras disse:

    Drs. , Dras.: aceito todo e qq procedimento, dou qq autorização, queria voltar a caminhar como antes.Obrigado. Complementando….

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Prezado José Carlos, o medicamento precisa ser testado dias após a lesão. Grata pela leitura e boa sorte!

  • Jairo Brasil Vieira disse:

    Gostaria de receber notícias regulares do trabalho de vocês.

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Que bom, Jairo, acompanhe nosso boletim e o nosso site. Estamos também nas redes sociais. Abraço, bom dia.

  • Regiane Athayde disse:

    Olá,que notícia maravilhosa!!! Parabéns a todos os envolvidos,sejam sempre abençoados!!!
    Quais são os critérios precisos para ser uma das pessoas que vão receber esse medicamento tão maravilhoso!!!

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Como a matéria mostra, é preciso que a lesão seja bem recente e esteja completa, para permitir a avaliação exata da atuação do medicamento. Obrigada pela leitura!

  • Maria Hilda Torres do Amaral disse:

    Meu esposo Sérgio Ferreira do Amaral ao ler esse documentário ficou muito feliz e interessado. Como proceder eu esposa dele o problema dele é nas mãos os braços tem movimento as pernas estão enrijecidas fez cirurgia no Pasteur hospital.faz fisio todos os dias 65 anos muito forte e esperançoso. Me ajude tel 27139525. Sou de São Gonçalo RJ.

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Prezada Maria Hilda, os pesquisadores selecionam os voluntários a partir de alguns critérios, como o tempo e o tipo de lesão. Para mais detalhes, escreva para a professora Tatiana Sampaio no e-mail: tcsampaio@histo.ufrj.br

  • Simone louzada disse:

    No final vcs falam , que a droga tem que ser aplicada em três dias?
    Seria três dias após o acidente ?

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Sim, tem de ser aplicada num período imediatamente após o acidente. Grata pela leitura!

  • Sandra disse:

    Bom dia, meu sobrinho sofreu acidente de moto a um ano e cinco meses, essa droga pode regenerar a lesão dele TB?

  • Sandra disse:

    A lesão dele foi na T6, T7 e T8.
    Gostaria de parabenizar pela descoberta, que Deus de sabedoria e aperfeiçoamento a cada dia.
    Obrigada

  • Eliano Jorge B cantanhede disse:

    Muinto importante esse tratamento espero que o governo ajude com todos os procedimento

  • Fernanda carlos da silva disse:

    Quando tiver uma oportunidade se eu puder fazer parte deste projeto, me sentirei lisonjeada. Sou cadeitante desde 09/05/2004, em um acidente automobilístico, onde tive uma lesão medular alta T2, T3, tive a oportunidade de fazer parte de um projeto de celulas tronco, em salvador no Hospital São Rafael. Ganhei sensibilidade mais não movimento, que é o que eu mais queria. Ficarei aguardando por mais essa oportunidade. Att

    • Fernanda da Escóssia disse:

      Prezada Fernanda, há alguns critérios para a seleção dos pacientes, como o tempo (ser uma lesão bem recente) e o tipo da lesão. Para mais detalhes, escreva para aprofessora Tatiana Sampaio no e-mail tcsampaio@histo.ufrj.br.

  • josé carlos simões gante disse:

    Primeiramente parabéns pelo trabalho eu tive mielite transversa a 19 anos eu ando de bengala as sequelas espaticidade,bexiga neurogenica,intestino preso e costa dolorida obrigado pela atenção

  • Jeffth disse:

    Tem alguma previsão para testes em lesões antigas? com 10 meses ou mais

  • Jeffth Wenger Gomes Lopes disse:

    Tenho uma lesão T7 por acidente gostaria de ser colocado na fila de espera assim q for fazer teste com a polilaminina em pessoas com mais de um ano de lesão

    • Fernanda da Escóssia disse:

      CAro Jeffth, a droga tem sido testada apenas em lesões recentes. Mas agradecemos o contato e desejamos boa sorte!

  • Alexandra disse:

    Mandei um e mail semana passada e gostaria muito de uma resposta! Muito importante para nós, eu e meu noivo que foi lesionado a pouco tempo!

  • Thaís Maria disse:

    Meu noivo sofreu acidente a 9 meses, teve lesão incompleta. Médicos não tiram as esperanças mas tbm não nos dão nenhuma.
    Dizem q é com o tempo, esse tratamento poderia de alguma forma nos ajudar, ou é necessariamente em 48 horas, pois seria uma benção em nossas vidas.

  • Larissa disse:

    Meu marido sofreu um acidente tem 7 meses , lesão medular na c 6 e c7 . Como posso entrar em contato com vocês? Desde já agradeço muito .

  • Maria Aparecida Dalla Santo Chepanski disse:

    Boa noite Dr(a).
    Meu filho Thyago tem 29 anos. Dia 24 de fevereiro deste ano sofreu um acidente em uma cama elástica. Teve lesão na C4 e C5. Gostaria de saber da possibilidade de fazer o tratamento com vocês. Atenciosamente

ADICIONAR COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(*)

(*)