Fotos: Fernando Souza

Larissa Caetano

larissa@adufrj.org.br

Entre os dias 21 e 24, a ópera “A Flauta Mágica”, de Mozart, foi apresentada na Escola de Música. Com professores e mais de cem alunos da Música e das Escolas de Belas Artes, Comunicação e Educação Física e Desportos, o espetáculo emocionou o público.

A montagem levou solistas, coro, orquestra sinfônica e componentes da Cia. de Dança da UFRJ ao Salão Leopoldo Miguez. “Essa iniciativa da universidade é maravilhosa. Todos estão envolvidos com a produção, que está linda. É um privilégio assistir à Flauta Mágica com uma montagem acadêmica.”, disse a espectadora Isabela Abrante.

Ao passo em que os personagens subiam ao palco, as cores do cenário e vestimentas acompanhavam a movimentação. Para a professora de Indumentária da UFRJ e orientadora de figurino da ópera Desirée Bastos, a criação foi trabalhosa: “A Flauta Mágica é uma ópera muito complexa, tem muita troca de roupa. Quando a gente pensa o figurino não é só a roupa, mas sim tudo que está no corpo. Além do figurino assinado pelos alunos, todos os pequenos objetos também foram confeccionados por eles”.

A preparação corporal teve a direção do professor e coordenador da Cia. de Dança da UFRJ André Meyer, que participou da primeira montagem da ópera pela universidade, em 1994. “O meu sentimento é de muita realização, principalmente por ver os estudantes potencializados e atuando artisticamente com a dança na UFRJ”, conta.

Além dos alunos da universidade, três crianças do Coral Infantil da UFRJ constituíram o coro, coordenado pela diretora da Escola de Música, professora Maria José Chevitarese. Ela lamentou não poder apresentar a ópera na Cidade Universitária, como nas últimas temporadas. “Este ano, estamos com pouca verba para montar a ópera. O corte de bolsas inviabilizou a ópera no Centro de Tecnologia”.

Confira fotogaleria da ópera “A Flauta Mágica”

ADICIONAR COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(*)

(*)