Kelvin Melo

kelvin@adufrj.org.br

Alunos sem aulas, espaços de ensino inadequados, gabinetes divididos por vários professores e obras inacabadas. O início do ano letivo voltou a expor as dificuldades que a comunidade acadêmica enfrenta no cotidiano da maior universidade federal do país.

No novo campus de Duque de Caxias, em funcionamento desde agosto passado, as aulas foram adiadas por duas semanas, para 25 de março, por falta de refrigeração nas salas. A decisão do conselho local foi motivada pelo forte calor na região nesta época. “Já houve desmaio de aluno no fim do ano. Aqui é muito quente”, explica o diretor geral, o professor Juan Martin Goicochea. Ele observa que há aparelhos novos de ar-condicionado comprados com emendas parlamentares, mas não existe a conexão elétrica.

Já na Cidade Universitária, quase dois anos e meio após o incêndio que atingiu o prédio da reitoria, as unidades sediadas no local ainda estão longe da volta à normalidade. Os andares superiores continuam interditados. A Escola de Belas Artes está com turmas espalhadas pela Faculdade de Letras, Centro de Tecnologia, Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza e andares inferiores do prédio da administração central: “E não há perspectiva de volta ao prédio”, afirma a diretora Madalena Grimaldi.

A superlotação dos gabinetes docentes é um obstáculo no campus da Praia Vermelha. “Eu divido minha sala com outros cinco professores, isso se torna inconveniente”, afirmou Lena Lavinas, professora Titular do Instituto de Economia. Estudantes também criticam o chamado “aulário” daquele campus, estruturado em módulos. E demonstram preocupação com o recente incêndio nos contêineres do centro de treinamento do Flamengo.

Os problemas com gabinetes lotados e precariedade das salas poderiam ser minimizados com a transferência de vários cursos para novas estruturas na ilha do Fundão. Mas as obras, algumas iniciadas há mais de dez anos, continuam sem conclusão – o orçamento da UFRJ para investimentos encolheu de R$ 52 milhões em 2015 para apenas R$ 6 milhões em 2018.

REITORIA RESPONDE
A assessoria de imprensa da reitoria informa que as obras de instalação elétrica em Caxias estão sendo concluídas e que “as aulas serão iniciadas ainda este mês”. Sobre o prédio da reitoria, foi informado que o Escritório Técnico da Universidade está recuperando as principais instalações elétricas e hidráulicas. Leonardo Fernandes, administrador do aulário, afirma que a estrutura está preparada para situações de incêndio: “Temos duas portas anti-pânico, extintores por todo prédio e corredores amplos para escoamento das pessoas”. (Colaborou Giulia Ventura)