- Adufrj - https://adufrj.org.br -

Museu Nacional abre portas após incêndio e lança edital para restauração da fachada

Cinco meses depois do incêndio, o Museu Nacional abriu suas portas aos jornalistas nesta terça para mostrar os estragos causados pelo fogo e o esforço de recuperação do acervo. Vigas contorcidas pela violência das chamas ao lado de portais integralmente preservados. Até agora, cerca de 2 mil itens foram recuperadas dos escombros, num trabalho de resgate arqueológico feito pela equipe do Museu.

Mais de oitenta jornalistas de veículos nacionais e internacionais participaram de uma espécie de tour pela estrutura interna do Palácio do Museu Nacional, promovido pela instituição. Foi a primeira vez que a mídia teve acesso ao local desde o incêndio em setembro de 2018.

O roteiro começou como o antigo percurso de visitas, com a exposição do meteorito Bendegó e a histórica escadaria do salão de entrada. Depois, seguiu para algumas salas de pesquisa e acervo. O trabalho de operários e da equipe de resgate de peças não foi interrompido. Em algumas salas, pesquisadores catalogavam obras peças encontradas nas cinzas.

“Queríamos prestar contas ao público, principal interessado no Museu”, explicou a iniciativa, a professora Cláudia Carvalho, coordenadora da equipe de resgate. “Não apenas mostrar as perdas, mas também o nosso trabalho e o quanto será possível recuperar”, ressaltou.

A paleontóloga Luciana Carvalho foi uma das “guias”.  “Além dos acervos, achamos importante destacar também o aspecto arquitetônico preservado”, disse nos degraus da centenária escadaria do salão de entrada do Museu. Na sala da Geologia e Paleontologia, ela falou sobre o “triplo impacto” sobre as peças: “Primeiro o fogo, depois o peso do teto e finalmente a água”.

O diretor do museu, Alexander Kellner, anunciou nova etapa das obras: “Já está na rua o edital para a confecção de projetos básicos para o início da restauração do nosso museu”. Segundo o diretor, o projeto corresponde à fachada do prédio e tem orçamento de R$ 1,1 milhão. Kellner prometeu uma exposição com peças recuperadas do acervo do Museu até o final do ano, mas não revelou local nem data.