Redação Adufrj

comunica@adufrj.org.br

Kelvin Melo e Silvana Sá

Foi uma disputa repleta de ineditismo. Às 2h45 da madrugada de 6 de abril, os apoiadores da chapa 10 comemoraram a vitória matemática da professora Denise Pires na corrida pela reitoria. Pela primeira vez em 99 anos, a UFRJ elegeu uma reitora. Três horas mais tarde, já com o sol nascido, veio o resultado oficial: a chapa 10 venceu no primeiro turno. O vice-reitor eleito é o professor Titular Carlos Frederico Leão Rocha, do Instituto de Economia. “Reconhecemos a alta qualificação dos nossos concorrentes, e conclamamos a comunidade para a união de forças neste momento histórico na nossa universidade”, ponderou Denise, médica formada e pós-graduada na UFRJ.
O próximo passo do processo é a inscrição no Colégio Eleitoral, marcado para 30 de abril. O colegiado elabora a lista tríplice que será encaminhada ao governo federal. As duas chapas que perderam o pleito afirmam que não vão submeter nomes ao colegiado. “Não apresentaremos nossos nomes ao Colégio Eleitoral”, diz o professor Oscar Rosa Mattos, candidato a reitor pela chapa 40, segunda colocada no pleito. “Apenas apresentaríamos se nossas propostas e nomes representassem a vontade expressa da maioria da comunidade”, conclui o docente, ao lado da vice, professora Maria Fernanda.
O Colégio Eleitoral é formado por integrantes dos conselhos superiores (Consuni, CEG, CEPG e Conselho de Curadores). Sua composição segue a lei e é formado por 70% de professores, 15% de técnicos e 15% de estudantes. Com exceção da nomeção do interventor José Henrique Vilhena, em 1998, o governo sempre nomeou o primeiro colocado na lista da UFRJ.
“Não há motivos técnicos nem políticos para o presidente não nos nomear. Temos experiência em gestão em diferentes instâncias da UFRJ, não somos filiados a partidos e temos relevância enquanto pesquisadores”, argumenta o vice-reitor eleito. Na última reunião do Consuni, dia 11, diversos conselheiros discursaram em defesa da autonomia universitária.

NÚMEROS
A sucessão do reitor Roberto Leher mobilizou os campi e levou mais gente às urnas do que na última eleição, em 2015. Ao todo, 20.887 pessoas votaram. Há quatro anos, foram 18.016. Até mesmo entre os alunos, foram 2.662 votos a mais do que na eleição anterior.
A chapa 10 ganhou entre professores e técnicos-administrativos. Obteve 55% do eleitorado docente e 48,6% dos TAE. Já entre os alunos, a vencedora foi a chapa 40, com 45,6% dos votos.

Confira aqui o mapa da votação