Elisa Monteiro

elisamonteiro@adufrj.org.br

(Última atualização em: 07/05/2018)

O brasileiro gosta de ciência e acredita no impacto dela para uma vida melhor. É o que mostra um estudo realizado pelo Instituto 3M, empresa internacional de inovação. Cerca de mil pessoas foram ouvidas em 14 países, desenvolvidos e emergentes, entre junho e agosto do ano passado.

O levantamento mostra que 52% dos brasileiros gostariam de saber mais sobre ciência, quando a média mundial é de apenas 34%. Além disso, 83% dos entrevistados no Brasil avaliam o assunto como “muito importante para a sociedade” e 72% declararam o mesmo em relação à aplicação à vida prática. Nos demais países, os percentuais caem para 63% e 46%, respectivamente.

Diante da palavra ciência, 94% dos brasileiros disseram se sentir esperançosos e 88%, fascinados. Para 85% dos entrevistados, o mundo é melhor graças a ela. Apenas 12% falaram em tédio. Para 74% da população, o Brasil está ficando para trás em pesquisa, tecnologia e inovação e, para 42%, a culpa é do baixo investimento.

 

“O otimismo dos brasileiros com o conhecimento científico é real. Há mais credibilidade aqui do que nos EUA ou na Europa, sobretudo quando se trata de instituições públicas”, confirma o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Ildeu de Castro Moreira. “Mesmo em temas como genoma, há receptividade quando se percebe que haverá avanços para a saúde”, opinou Ana Tereza Vasconcelos (SBPC). Um estudo nacional sobre o assunto, feito em 2015, mostrou que cientistas gozam de mais prestígio que as demais categorias.

ADICIONAR COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(*)

(*)