Kelvin Melo

kelvin@adufrj.org.br

(Última atualização em: 08/03/2018)

Não ao feminicídio. Não a um estupro a cada 11 minutos no Brasil. Não ao assédio sexual. Não ao machismo. Em 2018, a Adufrj associa sua voz à dos movimentos feministas do 8 de março para dizer “Nem uma a Menos, Nenhum Direito a Menos”. E mais: a associação docente lança uma campanha especial, no contexto da intervenção federal na segurança do Rio, para afirmar que “A luta pela paz é feminina”.

“Vamos participar ativamente do Dia Internacional da Mulher, mas a campanha continua para além do 8 de março”, avisa a presidente da Adufrj, professora Maria Lúcia Werneck. Ela observa que a grande motivação para o engajamento da associação docente neste ano é o crescimento da violência e a recente intervenção na segurança pública do Rio. “Nas comunidades, as mulheres são as principais vítimas da violência. Daí o mote da campanha”, explica. “Também estaremos atentos aos desdobramentos da intervenção”, acrescenta.

A Adufrj vai levar para o ato do 8M no Centro do Rio, às 16h, um conjunto de materiais com a marca da campanha “A luta pela paz é feminina”: 500 ventarolas, 500 adesivos, 200 camisas e um lençol de cetim com quase 70m2, que será estendido acima das manifestantes. Dez banners serão instalados em todos os campi da UFRJ. “Vamos fazer uma campanha bonita e divulgar bastante nossa mensagem”, afirma Maria Lúcia.

A marca da campanha, de autoria do designer André Hippertt, traz o desenho de uma mulher flutuando, enquanto segura um balão branco. Hippertt explica que a arte combina elementos da campanha mundial 8M, como a cor lilás, e a linguagem do grafite. A inspiração vem do artista e ativista britânico Bansky. “O Bansky usa muito os balões em seus desenhos como uma metáfora de ascensão, de crescimento. E ele tem um olhar muito carinhoso para crianças e mulheres”, avalia. No caso da marca criada para a Adufrj, houve o cuidado de retratar uma figura feminina que não fosse reconhecida como uma etnia única. O tom de pele da personagem é negro, mas o cabelo é liso e rosa. “A luta é de todas as mulheres”, completa Hippertt, orgulhoso do trabalho.

ADICIONAR COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(*)

(*)