Redação Adufrj

comunica@adufrj.org.br

Chapa 1 – Ventos de Maio: Juntos pela Universidade. Não vamos parar nem voltar atrás

Presidente: Eleonora Ziller Camenietzki (Faculdade de Letras)
Vice-presidente: Felipe Rosa (Instituto de Física)
2ª Vice-presidente: Christine Ruta (Instituto de Biologia)
1° Secretário: Pedro Lagerblad (Instituto de Bioquímica Médica)
2º Secretário: Marcos Dantas (Escola de Comunicação)
1º Tesoureiro: Josué Medeiros (IFCS)
2º Tesoureiro: Jackson Menezes (Nupem/Macaé)

Quem somos? O que queremos?

Nossa força está na nossa diversidade. Queremos representar a heterogeneidade dos professores da UFRJ e a singularidade do trabalho docente. Juntos conseguiremos resistir aos ataques do governo

“É verdade, a alma não pode viver de não querer. Não querer fazer alguma coisa é insuficiente para preencher uma vida. Não querer alguma coisa está bem próximo de não querer mais nada, e, logo, de fazer assim mesmo o que uma outra vontade impõe. Essas duas ideias estão muito próximas uma da outra, e a ideia de liberdade encontra-se esmagada entre elas”. Thomas Mann, 1932

Quando falamos “professores da UFRJ”, estamos nos referindo a um grupo muito diversificado de pessoas, com graus distintos de relação com a instituição e com experiências profissionais muito diferenciadas. Mas nossa heterogeneidade não pode ser um problema para nós, e sim a raiz primeira de nossa força. E foi pensando nisso que montamos a nossa chapa, buscando dar forma e força a esse potente agrupamento humano do qual somos parte. Porque podemos ter uma maior dedicação à vida administrativa, ou sermos fortemente dedicados aos laboratórios, ou desenvolvermos ações combinadas, atuando junto à formação de professores do ensino fundamental e médio. Estamos em diálogo permanente, inquirindo a vida nacional e seus impasses. Podemos estar voltados para a amplitude de políticas públicas, ou para os minúsculos vetores de graves patologias, lutamos cotidianamente pelo direito à vida, pelo direito de pensar, pela cultura e pela arte.

O nosso ambiente de trabalho ainda é muito desigual: podemos ter grandes laboratórios, cheios de máquinas e bolsistas, ou apenas uma pequena mesa dividida com mais dois ou três colegas numa sala apertada e sem janela. Muitas vezes não nos compreendemos, porque parece que falamos línguas muito diferentes. E nos perdemos em dissensões que poderiam ser bem menores se nos conhecêssemos com mais profundidade. Somos desiguais, e somos parte de uma sociedade que discrimina e exclui a maioria de seus integrantes. As ações afirmativas trouxeram mais cores e mais diversidade para as salas de aula, mas ainda há um desafio a ser cumprido para os docentes.

O embate com um governo que despreza o conhecimento e a inteligência nos coloca num patamar muito rebaixado de discussão. Temos que enfrentá-lo, gastar nossas energias para deter a máquina destrutiva que foi posta em funcionamento nos últimos meses, mas temos também o dever de não nos satisfazer com apenas resistir e proteger o que conquistamos. Essa vitória não podemos dar a ele.

E pensando nisso, apresentamos 10 bons motivos para votar na chapa 1

1. Defendemos como patamar inegociável para a universidade o financiamento público estatal obrigatório, a gratuidade e a autonomia universitária, o tripé de ensino/pesquisa/extensão e a liberdade de cátedra. Diremos não a qualquer projeto ou proposta que viole esses princípios, seja o atual “Future-se” ou qualquer outro que o substitua.

2. Defendemos a democratização da universidade através da ampliação do acesso, aliado a políticas geradoras de condições materiais para a permanência de alunos e discentes bolsistas, manutenção das cotas, além de melhorias na infraestrutura.

3. Batalharemos por melhores condições de trabalho dos novos professores, sobretudo nas instalações dos novos campi (Macaé e Xerém) e cursos noturnos, lutaremos contra a falta de equipamentos, de salas e de recursos para a pesquisa.

4. Ampliaremos o foco de atuação do jurídico da ADUFRJ, para incluir ações dos advogados em relação à carreira dos novos professores, além de uma mobilização permanente contra a desqualificação da carreira docente (MS e EBTT) nas universidades públicas

5. Somos uma chapa que defende a mobilização dos professores da UFRJ em conjunto com as demais entidades da sociedade civil, movimentos sociais, e em especial com sociedades científicas, muitas das quais dirigidas por nossos colegas, a fim de barrar os retrocessos postos à educação no próximo período.

6. Somos uma chapa comprometida com as lutas de raça, de gênero e de território, e combateremos qualquer tipo de discriminação dentro da UFRJ, onde existir.

7. Defendemos valores como solidariedade, justiça e igualdade, e acreditamos que só através da ciência, da cultura e do conhecimento teremos instrumentos para garantir a pluralidade, a diversidade e a liberdade.

8. Estaremos sempre mobilizados e prontos para apoiar as lutas dos servidores públicos, dos estudantes, dos técnicos administrativos, dos trabalhadores terceirizados e dos professores das redes estaduais.

9. Temos um compromisso com os docentes de todo o país, e através da mobilização da ADUFRJ, buscaremos fortalecer o ANDES-SN e fazê-lo mais representativo da maioria da categoria docente e cada vez mais plural.

10. Acreditamos nas formas democráticas de condução dos processos de decisão da entidade, incluindo processos de transparência nas reuniões e nas divulgações das pautas, o voto em urna nas decisões referentes a paralisações e/ ou greves, assembleias multicampi simultâneas com transmissão via vídeoconferência em horários determinados.