facebook 19
twitter 19
andes3

Diretor da AdUFRJ e professor do Instituto de Física, Felipe Rosa vai puxar a conversa do Tamo Junto, um encontro virtual organizado pela associação docente todas as sextas-feiras. Desta vez, o tema será "ensino remoto e trabalho docente". Para participar, é fácil: a partir das 17h15 você envia uma mensagem para o whatsapp da AdUFRJ (21) 99365-4514 e nós te enviamos o link de acesso à nossa sala no ZOOM. Se você ainda não conhece o aplicativo, acesse zoom.com e instale em seu computador ou celular.WhatsApp Image 2020 07 03 at 11.25.111

conference 4087444 640Imagem de mohamed Hassan por PixabayO Conselho de Ensino de Graduação (CEG) aprovou hoje o calendário do chamado período letivo excepcional, quando serão realizadas aulas remotas.As aulas vão de 10 de agosto a 31 de outubro. De 17 a 25 de julho, haverá a abertura de turmas e a inscrição direta dos concluintes, realizada pelos coordenadores. O período de inscrição de disciplinas será de 27 de julho a 6 de agosto no SIGA. A proposta original, formulada pelo GT CEG PR-1, propunha o começo das aulas no dia 3 de agosto. Mas, por decisão do colegiado, a data foi alterada para dar tempo aos alunos de receberem os chips com plano de dados que serão distribuídos pela pró-reitoria de Políticas Estudantis. O calendário precisa ser aprovado pelo Consuni.

WhatsApp Image 2020 06 30 at 11.45.12O CineAdUFRJ desta semana vai discutir o Protagonismo Negro no Cinema. Orientando o debate, teremos a Professora Danielli Balbi (Escola de Comunicação- UFRJ), doutora em Ciência e Literatura pela UFRJ e a cineasta e diretora Yasmin Thayná (Kbela, 2015). 

Lista de filmes:
Alma no Olho, de Zózimo Bulbul (1973).
Kbela, de Yasmin Thayná (2015).
Café Com Canela, de Glenda Nicácio,Ary Rosa (2015).
Disponíveis em: encurtador.com.br/lzFT8
A sala abre às 18h30: encurtador.com.br/efzM9

No segundo debate, faremos um contraponto sobre de que maneira o cinema mainstream e o cinema alternativo abordam questões ligadas à negritude.

No terceiro e último debate, discutiremos produções cinematográficas realizadas e protagonizados por indígenas.

106565053 2002154659909012 569851950822809344 nO Clube da Escrita transmite, nesta quinta-feira (2), uma conversa sobre “O desafio da escrita entre orientadores e orientados” com a participação de Dani Balbi, Doutora em Ciências da Literatura pela Faculdade de Letras e docente da Escola de Comunicação da UFRJ (ECO); e Eleonora Ziller, Doutora em Literatura Comparada, docente da Faculdade de Letras da UFRJ e presidente da AdUFRJ.

O Clube da Escrita é uma iniciativa da Coordenação de Integração Acadêmica do Centro de Tecnologia em parceria com a Associação de Pós-Graduandos da UFRJ, Representações Discentes do CT e o Laboratório da Palavra da Faculdade de Letras.

A live terá transmissão ao vivo no canal do CT no YouTube, e tradução simultânea em Libras.
bit.ly/youtubedoct

WEBABRE1134aBastaram 26 horas para o Jornal da AdUFRJ, antes de qualquer outro veículo de imprensa, descobrir uma mentira e uma omissão no currículo do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, Às 15h31 da quinta-feira, 25, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a nomeação em seu perfil no Twitter e informou que o novo titular do MEC seria “doutor pela Universidade de Rosário”, da Argentina. Às 17h59 da sexta, 26, o reitor da instituição, Franco Bartolacci, negou a titulação à reportagem.
De acordo com o perfil publicado pela assessoria do MEC, o novo ministro também seria oficial da reserva da Marinha. Mas Decotelli passou apenas dois anos na Escola de Formação de Oficiais para a Reserva da Marinha (EFORM). Não se trata, portanto, de um oficial de carreira que entrou para a reserva, como faz supor o texto do ministério, mas de alguém formado para a reserva em baixa patente. Como os jovens que procuram algum estabelecimento de ensino militar para substituir o serviço militar obrigatório.
No caso mais grave encontrado até agora, o economista Decotelli chegou a concluir todos os créditos do doutorado, mas teve sua tese reprovada. “Ele não teve a tese aprovada para receber o título de doutor, portanto, ele não é doutor pela UNR. Apresentou uma tese que foi avaliada negativamente pela banca constituída para esse fim”, afirmou o reitor argentino.
Questionado, o MEC se limitou a responder que o novo ministro cumpriu todos os créditos do doutorado. A assessoria chegou a encaminhar a cópia do certificado de conclusão das disciplinas do curso. Mas nada falou sobre a tese, condição essencial para a titulação.
Apesar das mentiras e omissões, Decotelli continua sendo considerado o casamento perfeito entre a ala ideológica, a ala militar e o mercado financeiro, setores que disputavam o comando da Educação. O novo número 1 do MEC tem perfil discreto, não é considerado um “olavista”, mas nem por isso foge do alinhamento com Jair Bolsonaro. Para interlocutores, o presidente afirmou que o candidato escolhido não deveria abrir mão de uma “guerra cultural” na Educação.
O novo ministro também é bastante próximo de Paulo Guedes.
Para o cientista político Josué Medeiros, diretor da AdUFRJ, a tendência é que Congresso, STF e mídia baixem o tom das críticas a Bolsonaro e que o novo ministro seja capaz de fatiar o MEC, abrindo mais espaço aos empresários do setor. “O que vai certamente tonar mais complexa a nossa luta”, diz. O compromisso de Decotelli com a “guerra cultural”, citada pelo presidente, pode vir por meio do modelo de escolas cívico-militares, acredita o professor.
O novo ministro foi presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) entre janeiro e agosto de 2019 e, sob sua gestão, fechou contratos controversos. Deu aval a uma licitação no valor de R$ 3 bilhões, na qual foram apontadas irregularidades pela Controladoria-Geral da União, como um número de equipamentos de informática 177 vezes superior ao necessário para suprir as escolas às quais seriam destinados. Dois dias depois do parecer, Decotelli foi exonerado do cargo e a licitação, cancelada. Também fechou contrato no valor de R$ 374 milhões com a empresa Brink Mobil, escolhida por licitação, em fevereiro de 2019, para fornecer material escolar para o ensino fundamental. Em dezembro do mesmo ano o dono da empresa acabou preso pela Polícia Federal, suspeito de praticar crimes de corrupção e fraude em licitações.
A gestão de Decotelli à frente do FNDE também foi considerada ineficiente por funcionários do órgão. Ele passou 23% do tempo em que foi presidente do fundo viajando. Com a ausência, muitos processos e documentos atrasaram ou pararam. Entre janeiro e julho de 2019, nenhuma das 22 licitações previstas para acontecer tinham saído do papel. Seriam aquisições para equipamentos de informática, bibliotecas, materiais didáticos e até para ônibus escolares, para dar alguns exemplos.
A presidente da AdUFRJ, professora Eleonora Ziller, também vê o anúncio com preocupação. Para a dirigente, o novo ministro amarra o acordo político feito com o centrão. “O FNDE tem muito dinheiro, mais de R$ 50 bilhões. O centrão adentra na educação com tudo, se apodera do grande fundo, toma conta da chave do cofre em troca da estabilidade no Congresso”, acredita.
As entidades estudantis lançaram nota assim que o nome de Decotelli foi anunciado. Afirmam que o novo ministro não tem experiência na educação, mas sim na área financeira e militar “o que é sempre motivo de preocupação”, diz trecho do documento assinado pelas associações nacionais dos estudantes secundaristas, universitários e pós-graduandos (UBES, UNE e ANPG).
Flávia Calé, presidente da ANPG, considera uma importante vitória que os olavistas tenham sido deslocados do posto mais alto do MEC. Mas vê com cautela a indicação. “O fato de ser ligado a setores financeiros e não ter trajetória na educação acende um sinal de alerta. Não podemos deixar que MEC saia da paralisia para o desmonte do seu caráter público”, afirma.

Topo