facebook 19
twitter 19
andes3

Antônio Santos, vice-diretor do Instituto de Física, é o mais novo professor titular da UFRJ e um dos raros docentes negros da universidade a alcançar o último posto da carreira. A aprovação aconteceu nesta quinta-feira, 3, por unanimidade, em banca com cinco professores, quatro deles de fora da UFRJ.  “Nas universidades que têm excelência em pesquisa, os docentes negros não passam de 20%, e nas Exatas esse índice é menor ainda. Na Física, eu conto nas mãos o número de docente negros em todo o Brasil. É um racismo institucional, mas é também resultado do racismo estrutural e estruturante, porque ele também dá forma à estrutura da sociedade”, afirma o pesquisador, militante do movimento negro. “A gente tem que tomar cuidado para que casos de exceção não sejam usados para legitimar o discurso de meritocracia. Não há como falar de mérito numa sociedade tão desigual como a nossa”, afirma. “A UFRJ está discutindo isso, aprovou recentemente a mudança nas cotas nos concursos docentes. É um passo importante, principalmente para os mais novos. Eu tenho que olhar para o estudante negro. O fato de ele ver um professor ou uma professora negra, traz representatividade pra esse estudante, sensação de pertencimento”.

Topo