facebook 19
twitter 19
andes3

WhatsApp Image 2020 09 14 at 08.25.082Viva a UFRJ! O aniversário de 100 anos da primeira universidade federal do país, no dia 7, reservou aos convidados debates, mostras da produção acadêmica de cada Centro e campus avançado, homenagens e muita, muita música de qualidade.
Um concerto comemorativo da orquestra sinfônica da Escola de Música abriu os festejos. Durante 50 minutos, obras de mestres que passaram pela Casa encantaram a audiência. A gravação, que obedeceu aos cuidados sanitários exigidos em tempos de pandemia, no imponente Salão Leopoldo Miguez da Escola, tornou o conjunto da apresentação ainda mais bonito. E, entre uma canção e outra, um pouquinho da história do curso dava a dimensão do gigantesco “peso” da universidade também na Cultura.
“Nossa história é o seu futuro”, aliás, foi a frase escolhida para conduzir a celebração que durou dois dias. A reitora, professora Denise Pires de Carvalho, contemplou a trajetória de pioneirismo da maior universidade federal do Brasil sem se descolar do compromisso social com as questões do presente e do amanhã. Denise afirmou a relevância da ciência, arte e cultura. E defendeu o financiamento público para um país mais equânime. “As metas para a Educação devem ser minimamente alcançadas”, disse durante a transmissão ao vivo.
O tom político da mensagem da reitora foi claro. “É inconteste que as nações desenvolvidas dependem da presença de universidades que exerçam papel decisivo na finalidade de torná-las protagonistas de seu próprio destino”, afirmou, destacando ainda que “no mundo moderno, quanto maior é o número de universidades de pesquisa, mais pujante é o desenvolvimento socioeconômico do país”.
Em uma “rápida, mas intensa viagem” pela história da universidade – como a própria Denise descreveu – nomes como Anísio Teixeira, Eloisa Mano, José Leite Lopes, Carlos Chagas Filho, Alberto Coimbra, Josué de Castro, Edgard Roquette-Pinto, Conceição Evaristo, Marco Aurélio Mello foram homenageados. “Grandes intelectuais que se graduaram na nossa instituição”, registrou a magnífica.
Emocionada, a reitora fez referência a todos os níveis de produção de conhecimento da universidade: “de excelência, desde a educação infantil, até a pós-graduação, pesquisa e inovação”.  E exaltou a capilaridade social que a instituição assumiu ao longo dos anos, alcançando um amplo espectro de demandas da sociedade, desde a formação de professores com as licenciaturas até a sinergia com a indústria e a inovação.
O futuro, segundo a magnífica, também encontra a marca da UFRJ graças a um “ecossistema” favorável ao “fortalecimento de mais cursos de áreas de fronteira do conhecimento”, como a Nanotecnologia. “Neste ambiente diverso, intelectualmente muito rico, ocorreu o crescimento e desenvolvimento da UFRJ”, destacou Denise, “baseado na tradicional indissociabilidade entre as atividades de ensino, pesquisa e extensão”.
Ainda pela administração central, o vice-reitor Carlos Frederico Leão Rocha projetou uma UFRJ para os próximos “vinte, cinquenta ou cem anos”, elencando cinco pilares: manter-se como uma casa de conhecimento, manter-se sem tabus, manter-se inovadora (“como tem feito em relação à Covid-19”), manter-se comprometida com a democratização de seu acesso e manter-se livre e independente. “É independência ou morte”, finalizou com bom humor.

DOCUMENTÁRIO
WhatsApp Image 2020 09 14 at 08.25.083A projeção do documentário “Centenária: a Universidade do Brasil entre duas pandemias”, realizado pelo Fórum de Ciência e Cultura, foi outro ponto alto da programação. O curta de 18 minutos, disponível no Youtube, ganhou a narração da atriz Zezé Polessa.
Autoridades como o ministro da Educação, Milton Ribeiro, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações, Marcos Pontes, presidente da Faperj, Jerson Lima Silva, presidente da Academia Brasileira de Ciência (ABC), Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Marco Lucchesi, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu Moreira, presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Nísia Trindade, enviaram vídeos prestando homenagens aos 100 anos da UFRJ. Assim como diversos reitores.
E houve mais música no final. A canção “Ciência e Arte”, composta por Cartola e Carlos Cachaça para a Mangueira, em 1947, fechou o evento. Interpretada por diversos artistas, ela diz no seu início: “Tu és meu Brasil em toda parte/Quer na ciência ou na arte/Portentoso e altaneiro”. O samba cita o físico César Lattes, que ganhou notoriedade no Brasil e no mundo pela co-identificação da partícula atômica mesón pi no mesmo ano. Mas parece que a homenagem foi escrita para a UFRJ.

NOTAS

Presidente da Fiocruz recebe título
O encerramento do segundo dia de comemorações do centenário ficou reservado para a entrega de títulos honoríficos da UFRJ aprovados pelo Conselho Universitário. Presidente da Fiocruz, Nísia Trindade foi uma das homenageadas. “Quanta emoção receber o título de Professora Honoris Causa desta Casa de Minerva, a deusa grega da ciência, das artes e dos ofícios”. A docente chamou atenção para o simbolismo da solenidade: ela, a primeira presidente da Fiocruz nos 120 anos da instituição recebendo o título da primeira reitora da UFRJ em seus 100 anos.

Noca, o mais novo Doutor Honoris Causa da UFRJ
WhatsApp Image 2020 09 14 at 08.25.084Noca da Portela, o baluarte do samba, recebeu o título de Doutor Honoris Causa. “Estou com os olhos cheios de lágrimas, mas feliz da vida. Muito obrigado de todo o coração”, disse o compositor. A sessão contou com outro Doutor Honoris Causa, Martinho da Vila: “A universidade homenageando você está homenageando o samba. Tenho certeza de que todos os sambistas se sentem um pouco homenageados junto com você”, disse.

Técnicos homenageados
A UFRJ promoveu uma homenagem especial a todos os servidores técnicos-administrativos na figura de dois representantes da categoria: Roseli Frochgarten, do Sistema Integrado de Bibliotecas; e Ivan Hidalgo, da Secretaria de Órgãos Colegiados. Ainda durante a festa virtual, o Sintufrj exibiu o vídeo “Retrato do Trabalho na UFRJ” com imagens, acompanhadas de depoimentos, de muitos servidores em seus variados ambientes de atuação.

Topo