facebook 19
twitter 19
andes3

Diretoria da AdUFRJ

WhatsApp Image 2021 03 26 at 21.54.37Nenhum texto essa semana poderia começar sem a constatação da marca macabra de 300 mil mortes causadas pela covid-19 no Brasil. São mães, pais, filhos, cônjuges, avós que jamais voltarão para os braços de seus entes queridos, uma multidão que transformaria em cidades fantasmas mais de 98% dos municípios brasileiros. Uma tragédia. No entanto, um ano depois das primeiras suspensões das atividades presenciais, não dá mais para evitar o diagnóstico do mal que nos acomete. Não foi incompetência, ou falta de recursos. Não foi uma “fatalidade”, apenas. Houve ridicularização do uso de máscaras. Houve ataque às nações que produzem vacina. Houve dolo. E não tem outro nome para quem colabora para a disseminação de uma doença assassina: quem faz isso é genocida.


Não estamos acostumados a esse tipo de governantes. Então é normal que a denominação possa causar algum desconforto. Genocídio, afinal, é coisa muito séria, e ninguém quer diminuir as horríveis matanças que macularam a humanidade ao fazermos comparações levianas com tal e qual posicionamento político com o qual não concordamos. Mas é preciso reconhecer que agora é diferente. Desde a redemocratização, fomos governados à direita e à esquerda, e muito embora a violência urbana e rural tenha sido um grave problema nesse período, nunca houve esse impulso de morte que caracteriza o governo Bolsonaro. A celebração de miliciano condenado, o desejo de mandar a “petralhada” para a “ponta da praia”, a exaltação de um infame torturador, tudo isso faz parte de uma paixão pela violência que, pelo menos demonstrada de forma tão explícita, é inédita. Quando, portanto, esse ímpeto belicoso encontra um vírus letal como o Sars-Cov-2, produzem-se as cenas deploráveis que vimos na nossa temporada de terror: “Não sou coveiro”, foi a resposta a 2.500 mortes. “E daí?”, quando chegamos a 5 mil. Ao passarmos de 90 mil fomos saudados com “Tá com medo de quê? Enfrenta!”, e, aos 160 mil mortos, recebemos “Tem que deixar de ser um país de maricas!”. Ou seja, temos um presidente que claramente não liga se teremos dez, mil, ou um milhão de mortos.WhatsApp Image 2021 03 26 at 20.23.16

Bom, poderia se argumentar aqui que temos apenas uma retórica do ódio, curada para saciar a sua base mais fiel (o que também é assustador), mas que as ações do governo não refletiriam as palavras do mandatário. Pois bem, hoje temos indicações consistentes – ver, por exemplo, o 10º Boletim Direitos na Pandemia, editado pelo CEPEDISA/FSP/USP – que as normas e atos do governo federal tinham por objetivo propagar o vírus o mais eficientemente possível, para que a economia (?) pudesse voltar ao normal (??) o mais rápido possível. Ou seja, temos um presidente que despreza a vida, cercado de subalternos que estão dispostos a fazer o trabalho sujo para que a pandemia no Brasil desapareça o mais rápido possível, mesmo que seja por um massacre a caminho da imunidade de rebanho sem vacina.

Felipe Neto estava certo.

Topo