facebook 19
twitter 19
andes3

Lucas Abreu
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Apandemia colocou a Ciência no centro das discussões da sociedade. O desenvolvimento científico é a maior arma para enfrentar a covid-19, e a rotina dos pesquisadores foi alterada em todos os campos do conhecimento. Quem lida diretamente com pesquisas ligadas ao combate à doença se viu diante de desafios urgentes, mas outras áreas de pesquisa também foram afetadas, seja por demandas da sociedade e até pelo isolamento social, que mudou o fluxo de trabalho. Todos têm em comum o cansaço nesse um ano de trabalho incessante e confinamento.

“Por uma razão boa, que é o fato de as pesquisas estarem dando certo e encontrando aplicações práticas, a carga de trabalho é imensa”, desabafou a professora Leda Castilho, do Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares da Coppe. As pesquisas em questão são a produção em escala piloto da proteína que recobre a superfície do vírus e seu uso no desenvolvimento de testes sorológicos e de uma vacina contra o coronavírus. Além disso, a proteína também tem sido usada pelo Instituto Vital Brazil para desenvolver um soro equino para combater a covid-19. “A gente sente uma responsabilidade de fazer tudo o melhor e o mais rápido possível para contribuir no enfrentamento da pandemia, com a consciência de que não podemos parar”, contou a professora, que disse tirar daí a força para uma densa rotina de trabalho: “Nos últimos 12 meses, o único dia em que não trabalhei foi em 1º de janeiro”.

Leda Castilho explicou que mudar o foco do seu trabalho para o coronavírus não foi tão complicado. “O que estamos fazendo é muito semelhante ao que já fazíamos para proteínas de outros vírus  e para outras proteínas que são usadas como medicamentos”, contou a professora. “O meu laboratório trabalha para desenvolver essas tecnologias”. A sequência com que as pesquisas aconteceram foi uma resposta às demandas mais urgentes. “No começo da pandemia, a primeira emergência era ter testes, então passamos a produzir a proteína e a trabalhar junto com o professor André Vale, da Biofísica, para desenvolver o teste S-UFRJ”, contou a professora.

A pandemia exigiu o melhor da Ciência em todas as suas áreas. Guilherme Horta Travassos é professor do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação da Coppe, e faz parte do GT Coronavírus da UFRJ desde o primeiro momento. Sua principal colaboração foi a criação do covidímetro, ferramenta utilizada para monitorar a pandemia no Rio de Janeiro. “Eu sempre estive envolvido com a solução de problemas, mas nunca de um problema tão insano quanto essa pandemia”, contou o professor. “Caí na vertente tecnológica do grupo, e busquei contribuir trazendo a pegada tecnológica. É um grupo formado por mentes brilhantes, que buscou se antecipar às questões da pandemia”, elogiou o professor.

A experiência de trabalho multidisciplinar é um dos trunfos apontados pelo docente para o sucesso do GT. “É um problema extremamente grave, que afeta a todos, o que nos permitiu ter uma agenda de trabalho comum”, exaltou Travassos, que vê no aprendizado coletivo um ganho para o futuro. “Foi um ano desafiador e de transformações. Problemas extremamente complexos ficaram menos complexos graças à soma das cabeças brilhantes que temos nos diferentes centros da UFRJ. Se tirarmos proveito disso, teremos uma revolução científica na UFRJ, porque quebramos o conceito das ilhas, e estabelecemos um continente científico dentro da nossa universidade”.

O combate à doença exigiu pesquisas, mas não foram as únicas demandas geradas pela pandemia. “Nós, economistas, fomos chamados a responder a questões bastante imediatas”, contou a professora Marta Castilho, do Instituto de Economia. “A covid-19 entrou na vida do meu grupo de pesquisa, não só nas vidas pessoais, mas como tema de estudos. Estudamos os impactos da pandemia na economia brasileira, analisando aspectos macroeconômicos e setoriais”, explicou ela, que ainda lembrou da centralidade das discussões econômicas e do falso dilema criado entre a vida e a economia. “Em economia somos chamados o tempo todo para o debate público. Tínhamos o desafio de mostrar que não existe essa contradição, e que devemos buscar formas de minimizar os custos econômicos da pandemia”.

Na avaliação da professora Marta, foram dois os principais problemas enfrentados pelos pesquisadores durante o isolamento social. “Perdemos uma parte do convívio que era frutífero para as reflexões e para o desenvolvimento dos trabalhos. A falta de convívio social atrapalha um pouco por tirar essa possibilidade de troca”, observou. O segundo problema é o que ela chamou de “perda das fronteiras do que é tempo e lugar de trabalho”, o que faz com que as jornadas de trabalho sejam mais intensas e mais longas. “Estamos trabalhando mais e necessariamente estamos sendo mais produtivos”, resumiu.

Para o diretor do Instituto de História, Antônio Carlos Jucá Sampaio, os arquivos públicos fechados estão atrapalhando as pesquisas de sua área. “Há muitos pesquisadores que estão com as suas pesquisas paradas por não poder acessar documentos históricos”, contou. Outro problema relatado pelo diretor é a falta dos eventos tradicionais da área. Mas, ao mesmo tempo, o isolamento social e a adoção de tecnologias de comunicação trouxeram uma nova possibilidade. “Estamos fazendo outros tipos de eventos, virtuais, com a presença de convidados internacionais, inclusive. E esse tipo de evento tem possibilitado mais ações de extensão ligadas à história pública. Nesse diálogo com a sociedade, o historiador constitui e reconstitui seus objetos de estudo”.

Na avaliação do professor Ildeu de Castro Moreira, presidente da Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência, o saldo é de um ano ruim para a ciência brasileira. “Um ano extremamente complicado. Ruim do ponto de vista da postura do governo e dos cortes no investimento em Ciência, apesar da pandemia”, criticou o professor. “As universidades, institutos de pesquisa e pesquisadores estão tentando se desdobrar para enfrentar a pandemia em condições muito difíceis, porque é um governo federal negacionista”. Ildeu defendeu que os investimentos em Ciência e Tecnologia são um caminho não só para a saída da pandemia, mas para o avanço do país. “A Ciência e Tecnologia são importantes para a sociedade, para a economia do país, para o uso sustentável das suas riquezas e potencialidades. Espera-se que, em um momento como esse, a maior parte da sociedade brasileira se dê conta disso”.

Topo