facebook 19
twitter 19
andes3

02WEB1131

 

A Covid-19 levou mais um dos grandes da História da UFRJ. Morreu hoje o professor emérito do Instituto de Economia e ex-reitor da universidade Carlos Lessa, vítima de uma pneumonia causada pelo novo coronavírus. Lessa era uma referência no pensamento econômico desenvolvimentista brasileiro. Eleito reitor em 2002, deixou o cargo em 2003 para assumir um desafio ainda maior, a presidência do BNDES. Em sua passagem pelo banco defendeu com vigor seu pensamento econômico de que o Estado deve ter um papel importante como motor da economia do país. Era um intelectual apaixonado pelo Rio de Janeiro. Trabalhou pela restauração de prédios históricos no Centro da cidade e escreveu o livro “O Rio de todos os brasis”, uma análise profunda da história da cidade. Seu mandato como reitor da UFRJ foi curto, mas deixou um legado: foi o criador do bloco Minerva Assanhada. Sua influência na história da universidade e do pensamento econômico brasileiro não podem ser medidos em um breve obituário. “Meu amado pai foi hoje às 5h da manhã descansar. A tristeza é enorme. Seu último ano de vida foi de muito sofrimento e provação”, publicou seu filho, Rodrigo Lessa, em uma rede social. “O legado que ele deixou não foi pequeno. Foi um exemplo de amor incondicional pelo Brasil, coerência e honestidade intelectual, espírito público, um professor como poucos e uma alma generosa que sempre ajudou a todos que podia quando estava a seu alcance, um grande amigo.”

A Reitoria decretou luto oficial de três dias, dado o reconhecimento às suas contribuições para a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a sociedade brasileira.

Topo