facebook 19
twitter 19
andes3

WhatsApp Image 2021 04 01 at 20.10.48Nos últimos dias, além de criar uma crise militar sem precedentes na história do Brasil, o presidente Jair Bolsonaro exercitou uma de suas mais vistosas habilidades: mentir. Em discurso em cadeia nacional de rádio e TV, no último dia 23, ele afirmou: “Em nenhum momento, o governo deixou de tomar medidas importantes tanto para combater o coronavírus como para combater o caos na economia, que poderia gerar desemprego e fome”. É mentira. Por inépcia ou de forma deliberada, o governo federal deixou de implementar, atrasou ou se opôs a diversas ações de combate à pandemia. Ontem mesmo (31), o presidente voltou a criticar o isolamento social na pandemia. É um mentiroso contumaz.
O negacionismo que o faz crer que vacinas contra a covid-19 podem transformar pessoas em jacarés parece ter se entranhado de tal forma no presidente da República que ele chega a desmentir a si mesmo. Já desafiou que provassem, por exemplo, que ele chamou a covid-19 de “gripezinha”, depois de ter dito exatamente isso em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV em 24 de março de 2020, o mesmo em que disse que não pegaria a doença por ter histórico de atleta. Pegou.
É tarefa inglória selecionar as mentiras de Bolsonaro em apenas uma página de jornal. Optamos pelas mais recentes. São tantas que deixariam Pinóquio no chinelo. Aliás, se tem um cara de pau nessa história, não é a memorável criação de Geppetto, que, ao longo do tempo, vai se humanizando até virar um menino de verdade. Com Bolsonaro, parece ocorrer justamente o contrário.

“O Brasil, em números absolutos e em números relativos também, está em uma posição bastante privilegiada (de vacinação)”

(31/3/2021, durante o anúncio da retomada do auxílio emergencial)

MENTIRA: Em números absolutos, o Brasil está em quinto lugar no ranking de vacinação, mas em números relativos (até 30/3) está na 73ª posição, com apenas 8,57 doses por 100 habitantes.

“Rio Grande do Norte — (doses de vacina) entregues pelo governo federal: 536.640.”

(28/3/2021, no perfil de Bolsonaro no Telegram)

MENTIRA: Checagem feita pelo site Aos Fatos junto ao Localiza SUS mostra é falso que governo federal tenha enviado 536.640 doses da vacina contra a covid-19 ao Rio Grande do Norte. Na verdade, foram 328.346 doses até o dia 27 de março. O número divulgado pelo presidente é 63,4% maior do que o verdadeiro.

“Desde o começo, eu disse que tínhamos dois grandes desafios: o vírus e o desemprego”

(23/3/2021, em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV)

MENTIRA: Desde março do ano passado, Bolsonaro tem dado tratamento diferenciado às duas questões, minimizando reiteradamente a pandemia. Chamou a covid-19 de “gripezinha” e disse que medidas de isolamento seriam para “os fracos”.

“Sempre afirmei que adotaríamos qualquer vacina, desde que aprovada pela Anvisa. E assim foi feito”

(23/3/2021, em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV)

MENTIRA: Em outubro do ano passado, Bolsonaro desautorizou publicamente o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e negou que o governo federal compraria doses da Coronavac. Ele também colocou entraves à aquisição da vacina da Pfizer, que tentou negociar com o governo desde agosto de 2020.

“(Toque de recolher) é estado de defesa, estado de sítio, que só uma pessoa pode decretar: eu.”

(18/3/2021, na Live de quinta-feira do presidente no Youtube)

MENTIRA: Como medida sanitária, o toque de recolher não tem nada a ver com estado de sítio ou de defesa. Decretado por governadores e prefeitos, ele é uma medida de enfrentamento à pandemia prevista na Lei nº 13.979/2020. Por decisão do STF, essas ações não precisam de aprovação da União.

“(O auxílio emergencial) é o maior... Foi... É, ainda. O maior projeto social do mundo.”

(18/3/2021, na Live de quinta-feira do presidente no Youtube)

MENTIRA: Outros países adotaram programas semelhantes de auxílio à população na pandemia com valores superiores aos do Brasil. Estudo feito em maio de 2020 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostra, por exemplo, que o Canadá transferiu o equivalente a R$ 7.800 por mês, durante até quatro meses, para quem foi afetado pela pandemia. Nos Estados Unidos, quem teve renda inferior a US$ 75 mil por ano recebeu, em abril, US$ 1.200 (cerca de R$ 6.400).

“A dona Olinda (mãe de Bolsonaro) se vacinou
com a Oxford.”

(11/3/2021, na Live de quinta-feira do presidente no Youtube)

MENTIRA: De acordo com a Prefeitura de Eldorado (SP), Olinda Bolsonaro, de 93 anos, foi vacinada com a Coronavac, vacina produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Ela recebeu a primeira dose 12 de fevereiro e a segunda em 8 de março.


“Nós estamos já há um ano
de lockdown e o vírus continua aí.”

(11/3/2021, na Live de quinta-feira do presidente no Youtube)

MENTIRA: Nunca houve no Brasil um lockdown em âmbito nacional. O governo federal, ao contrário, emitiu ao menos três decretos em 2020 que ampliaram a lista de atividades consideradas essenciais e provocaram o aumento na circulação de pessoas. As aglomerações, sempre estimuladas por Bolsonaro, só não foram maiores porque, em abril, o STF decidiu que governadores e prefeitos tinham autonomia para definir regras sobre isolamento sem o aval federal.

“Segundo decisão do STF, ao governo federal coube basicamente envio de recursos e meios para que a saúde fosse atendida em estados e municípios.”

(10/3/2021, em entrevista à CNN Brasil)

MENTIRA: A decisão do STF em abril apenas definiu que estados e municípios tinham autonomia para definir regras de isolamento social sem o aval do governo federal. Mas não eximiu a União de combater a pandemia. Bolsonaro vem repetindo essa mentira em várias ocasiões para justificar a inação de seu governo no enfrentamento à covid-19.  

“Se não faz mal hidroxicloroquina, ivermectina, por que que não toma?”

(8/3/2021, em entrevista ao canal Foco do Brasil no Youtube)

MENTIRA: Os dois medicamentos do chamado “tratamento precoce” defendidos por Bolsonaro e seu ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, além de não serem eficazes no combate à covid-19, podem causar sérios efeitos colaterais. A hidroxicloroquina pode causar problemas em pacientes com doenças hepáticas, renais ou cardíacas, entre outras.

Topo