facebook 19
twitter 19
andes3

pressioneEducação tem Valor. Este é o eixo da campanha que a AdUFRJ participa ativamente nos últimos dias para pressionar o Congresso pela aprovação do orçamento federal sem cortes nas verbas para a Educação. A campanha foi criada ainda em outubro do ano passado pelo Observatório do Conhecimento — rede de associações e sindicatos de docentes de todo o país, com participação da AdUFRJ — com o objetivo de recompor o orçamento federal relacionado às universidades.
A mobilização acompanha a tramitação orçamentária no Congresso Nacional. Instalada no dia 10, a Comissão Mista deve aprovar o Orçamento até março. Para pressionar os parlamentares por um Orçamento do Conhecimento justo, o Observatório criou uma ferramenta virtual, em parceria com a União Nacional dos Estudantes, que possibilita o envio imediato de uma carta às presidências da Câmara e do Senado.
WhatsApp Image 2021 02 11 at 21.32.39No dia 10, a campanha lançou vídeos oficiais e realizou um tuitaço, às 10h, com as hashtags #ConhecimentoSemCortes e #EducaçãoTemValor. A mobilização ganhou o apoio de deputados de oposição, como Marcelo Freixo e Sâmia Bomfim (ambos do PSOL-RJ), e Túlio Gadêlha (PDT-PE). Como parte das próximas atividades da campanha, o Observatório irá realizar, nos dias 23 e 25 de fevereiro e 2 e 4 de março, uma série de debates sobre a universidade e a sociedade brasileira. Professores da UFRJ compõem o ciclo em mesas temáticas sobre economia, democracia e cultura.
“Quando nós falamos que a Educação tem Valor, significa desde a possibilidade da formação de cidadãos mais críticos, até possibilitar o que nós estamos vendo no serviço público com relação ao enfrentamento da pandemia”, aponta Sílvia Gatti, presidente da Adunicamp. Segundo ela, para que a Ciência seja devidamente valorizada pela população, é preciso demonstrar as transformações que as universidades exercem sobre a vida das pessoas. “Atingir apenas a nós mesmos é extremamente restrito. Precisamos alcançar o apoio de toda sociedade, do cidadão que não foi à universidade, mas quer ver seu filho e neto nela”, ressalta.
“Nossa ideia é que o Observatório atue justamente nos temas que o sindicalismo tradicional não atua, como a defesa da Ciência. Nós lançamos essa campanha para mobilizar a comunidade acadêmica, pressionar os deputados e conseguirmos reverter esses cortes”, explica o professor Josué Medeiros, diretor da AdUFRJ. A campanha denuncia as sucessivas reduções no “Orçamento do Conhecimento”, que junta os gastos com as universidades federais, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Capes, institutos tecnológicos federais e centros de pesquisa.
“É um verdadeiro ataque a todo um sistema de produção de conhecimento e de formação profissional, no qual as universidades têm um papel destacado no país. A campanha busca dialogar com a sociedade, para que ela nos ajude a evitar o pior”, afirma Carlos Alberto Marques, presidente da Associação de Docentes da UFSC (APUFSC). Ele explica que o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) para 2021 é mais um passo rumo à destruição da pesquisa no país. “Ao somar os cortes no orçamento do conhecimento, ano após ano, desde 2015, o valor de perdas acumuladas chega a R$ 80 bilhões”.WhatsApp Image 2021 02 11 at 21.32.40
Uma das ações do Observatório nas redes foi produzir cards sobre os gastos do governo federal em alimentos. “Apenas com os valores gastos com leite condensado, seria possível ofertar pelo período de um ano: 592 Bolsas de Doutorado; ou 869 Bolsas de Mestrado; ou 3.258 Bolsas de Iniciação Científica”, diz uma publicação da campanha. “Quando se compara isso à educação, vemos que são gastos extravagantes”, critica Carlos Alberto.
O atraso na votação do orçamento de 2021 desordenou o planejamento financeiro das universidades. “Nós, na UFSC, assim como as outras universidades federais, recebemos apenas 1/18 do orçamento. O que a nossa reitoria fez foi atrasar o pagamento da conta de água e de outros serviços”, relata Carlos. Ele se preocupa ainda com a situação dos alunos que dependem do auxílio do governo para se manter no ensino superior. “Considerando que haverá ainda uma retração de 17% do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES), nós estamos utilizando os recursos da universidade para dar um auxílio a esses estudantes mais carentes”.

O QUE É O OBSERVATÓRIO DO CONHECIMENTO

O Observatório do Conhecimento é uma rede formada por Associações e Sindicatos de Docentes de universidades de todo o país, com o propósito de defender a ciência brasileira. “O Observatório foi criado por conta desse avanço negacionista e dessa desqualificação da vida universitária, da produção do conhecimento e da pesquisa científica no Brasil”, explica a presidente da AdUFRJ, Eleonora Ziller. A rede articula ações em defesa da universidade pública, gratuita e de qualidade, monitora e denuncia políticas e práticas de perseguição ideológica à comunidade acadêmica, e se mobiliza para enfrentar os cortes no orçamento da ciência.
Criado em abril de 2019, o Observatório é uma iniciativa suprapartidária e independente, que busca levar ao debate público as dificuldades enfrentadas pela educação. “Além de estratégia, competência e inteligência, a gente precisa que a população esteja com a gente. O elemento que falta para virarmos o jogo é agregar todas as forças, para que tenham consciência do valor, do papel e da necessidade da educação pública brasileira”, completa Eleonora.

Topo