facebook 19
twitter 19
andes3

WhatsApp Image 2020 09 21 at 14.13.49“A Educação não é uma pauta de um grupo nem mesmo de um governo. É uma pauta da sociedade brasileira, e que precisa ser desenvolvida”, disse Renato Janine Ribeiro, professor da USP e ex-ministro da pasta, no ato virtual “Orçamento Justo para a Educação” do dia 17.
Organizado pelo Observatório do Conhecimento, rede formada por diversas associações docentes — entre elas, a AdUFRJ —, além de mais 50 entidades representativas da Educação e da Ciência e 16 frentes parlamentares pluripartidárias, o evento apresentou um manifesto que cobra a imediata instalação da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional para discutir os recursos de 2021. “A perspectiva de corte de R$ 1,882 bilhão no orçamento das chamadas despesas discricionárias para a educação, que envolvem o custeio e os investimentos, chama a atenção, sobretudo em um momento como o atual”, critica um trecho do documento.
O ato virtual atraiu parlamentares de diferentes espectros ideológicos. “Se a educação não for colocada como uma das prioridades, nós vamos lidar com isso para sempre. Nós temos centenas de obras paralisadas, incluindo creches e escolas”, lembrou a deputada federal Professora Dorinha Rezende, do Democratas.
“Qual é o projeto de país que nós queremos construir?”, indagou a deputada federal Tabata Amaral, do PDT. Relatora da comissão externa da Câmara criada para acompanhar o MEC, Tabata reforçou o absurdo dos cortes diante do desempenho das universidades federais no enfrentamento da pandemia. “Já são mais de 1.200 pesquisas sendo desenvolvidas, milhares de leitos disponibilizados, para dizer apenas alguns exemplos”.
Além de um orçamento justo para a educação, o manifesto das entidades defende a autonomia das universidades e dos institutos federais, com a nomeação dos reitores eleitos em processo democrático. Iago Montalvão, presidente da UNE, participou do evento logo após um ato presencial na UFRGS contra a recente intervenção do governo na reitoria (leia mais nas páginas 2 e 3). “Mais uma vez, foi desrespeitada a vontade da comunidade acadêmica de uma das maiores universidades federais do nosso país”, afirmou.
A presidente da AdUFRJ, professora Eleonora Ziller, participou do ato e valorizou a pluralidade de vozes em defesa da Educação. “Estamos aqui ouvindo, falando, insistindo, e consolidando uma unidade e um caminhar juntos, que no momento é o que temos de mais importante para construir”, disse.

Topo