facebook 19
twitter 19
andes3

TEXTO: Liz Mota Almeida

WEB P8 1128Professora Maria Paula debateu as ameaças do fascismo“Os nazistas não chegaram em um disco voador. Eles estavam entre nós”. A célebre constatação da filósofa alemã Hannah Arendt (1906-1975) foi relembrada pela professora Maria Paula Araújo, do Instituto de História, no último “Tamo Junto”. O bate-papo virtual, sempre com um tema diferente, é organizado todas as sextas-feiras pela AdUFRJ. No encontro de 8 de maio,  a professora de história contemporânea traçou paralelos entre o surgimento do fascismo na Alemanha nos anos 20 e 30 e o Brasil de hoje.  
Para Maria Paula, “é consensual, na historiografia marxista, que o fascismo em parte cresce porque ninguém o enfrenta”. No Brasil atual, a docente acredita que a eleição de Bolsonaro só foi possível porque a esquerda não se uniu com candidatos capazes de derrotá-lo. “É bem trágico porque, como na década de 20, nem os comunistas nem a social-democracia se preocupavam. Não viam perigo no fascismo e sabemos o que aconteceu”, explicou.
Outro aspecto abordado pela professora foi o período posterior a regimes autoritários. Chamou atenção para o fato de que as Forças Armadas do Brasil nunca pediram perdão pela ditadura militar, o que dificulta o estabelecimento de uma memória coletiva negativa sobre aquele regime. Bem diferente do que ocorreu na Alemanha pós-nazismo. “Berlim parece que é uma cidade que pede desculpa. Cada esquina tem memoriais, houve um investimento em transformar a memória do nazismo e holocausto como algo ruim, e a gente aqui não conseguiu”, afirmou. “A maior luta atualmente ainda é o reconhecimento de que a ditadura foi um erro”.
A presidente da AdUFRJ, professora Eleonora Ziller, fez a mediação do debate: “Querendo ou não, a ditadura tinha um projeto de nação, como também tinham o nazismo e fascismo”, disse. “Nesse ponto, é mais fácil fazer um paralelo.  Hoje não tem nenhum projeto sustentando; é um arremedo do que a proposta nazista falava”.

TAMO JUNTO
Apesar do isolamento social, os professores da UFRJ ainda podem sentir o gostinho da troca de ideias que caracteriza a universidade. Toda sexta-feira, no fim da tarde, a AdUFRJ promove o encontro virtual “TamoJunto” com um tema definido previamente.

Topo