Recebemos no momento em que fechávamos esta edição do Jornal, a notícia do falecimento da professora emérita Miriam Lemle, aos 82 anos. Docente da Faculdade de Letras desde 1982, iniciou sua vida acadêmica em 1962, ainda no Museu Nacional, junto ao professor Mattoso Câmara Jr. Depois de concluir seu mestrado em Linguística na Universidade de Pensilvânia (EUA), integrou o grupo pioneiro que organizou o primeiro curso de pós-graduação em Linguística no Brasil. Gerativista renomada, formou várias gerações de pesquisadores, além de trazer para o país outros tantos já consagrados internacionalmente, entre eles, o próprio Noam Chomsky.


Presidente da ABRALIN (Associação Brasileira de Linguística) na década de 1980, dedicou toda sua vida à universidade, onde estudou desde os primeiros anos no Colégio de Aplicação. Graduou-se na
antiga FNFi, no curso de Letras Neolatinas. Assim como seu marido, o professor Alfred Lemle, da Faculdade de Medicina, falecido em 2017, participou do movimento docente e permaneceu sindicalizada
por toda sua vida. Com ela se vai uma parte importante de nossa história, nos deixa saudades e muitos frutos de tantas sementes plantadas.WEB menorMIRIAM

Topo